EnglishPortugueseSpanish
DICAS NEW YORK
Postado por Estela T em outubro 23, 2014 Editado em janeiro 13, 2017

DICAS NEW YORK: Aqui você encontra a compilação de várias dicas de turismo incluindo hospedagem, transporte, gratuidade em museus, eventos mês a mês e muito mais!

 

Subway

 

A primeira coisa que você deve fazer é ir a uma estação de Metro e comprar o bilhete chamado MetroCard. Dependendo de quanto tempo você ficar na cidade, opte pelo bilhete de uso ilimitado para 7 ou mais dias. Eu comprei o de 1 mês. O bilhete é feito de plástico e tem 1 ano de validade. Quando acabarem os créditos, recarregue o mesmo cartão.

Não vá perguntando onde fica a máquina do ticket do "Metro", porque apesar de ser chamado de MetroCard, o Metro lá é Subway. Você pode pagar até com cartão de crédito, super prático. O de 1 mês custou US$116 e fazendo as contas de quantidade de vezes que eu peguei o subway (média de 3 viagens por dia), vale muito a pena do que comprar o unitário.

As linhas abrangem muitos cantos de NY, porém não vá pensando que você estará livre de baldeações e andanças embaixo da terra (e até mesmo na superfície). Em Agosto de 2014 as estações estavam absurdamente quentes e parece que são assim mesmo. Todos os trens possuem ar condicionado bem forte. Então, se você tem problemas com choque térmico, se prepare. Em Setembro, com o tempo amenizado, as estações do Subway também ficaram mais agradáveis.

 

 

Mapa do metrô retirado do site oficial do MTA: http://web.mta.info/nyct/maps/subwaymap.pdf

A melhor dica para se dar bem no Subway de NY é estudar um pouco o mapa da cidade e as localizações daquilo que você quer visitar, você tem que saber onde fica UptownDowntonBrooklynManhattan (para quem não está em Manhattan), Jamaica, The Bronx e Queens geograficamente. Sabendo tudo isso, você tira de letra! É até inútil dar exemplos disso aqui no site, você tem que estar lá para entender como esta minha dica é valiosa.

A minha segunda melhor dica é ter um bom aplicativo do Subwayde smartphone que mostre exatamente onde cada trem vai parar, porque, se você se atentar apenas às cores das linhas, vai se dar muito mal! Então, além de saber a direção (parágrafo anterior) que você quer ir, veja no aplicativo (ou um mapa mesmo) onde o trem vai parar, porque há trens expressos que não param em todas as estações. Por exemplo, a linha verde possui os trens 4, 5 e 6, sendo 4 e 5 para a linha expressa e a 6 local. Ou então, na linha azul (A, C e E) onde a A é expressa e a C e a E param em lugares diferentes. Como não é possível decorar quais estações cada linha vai parar, use um aplicativo.

Algumas estações possuem sistema de mapa das linhas do subway em formato touchscreen (mas são poucas) e outras estações possuem em forma de papel colado na parede. Mas muitas estações não possuem o mapa, na verdade a maioria, e geralmente você não encontra um funcionário do subway. Em algumas plataformas você encontra um painel luminoso informando o tempo que cada trem vai chegar, mas isso você também não encontra em todas, é tudo na raça! Na grande maioria das estações, há um auto falante informando qual trem está chegando ou quanto tempo levará para chegar (além de outras informações).

Penúltima dica:
Quando você estiver na rua, antes de entrar em uma estação, preste atenção no descritivo da placa da estação. Todas as placas informam o nome da estação, quais as linhas passam nela e algumas apontam o sentido (se é Downtown, Uptown, Manhattan, Queens, etc). Se a estação não possui nenhuma indicação do sentido que vai é porque a estação atende todos os sentidos. Mas se a estação for, por exemplo, Uptown e você quer ir para Downtown, é só dar uma lida na placa porque ela provavelmente informará onde fica a estação para o sentido que você quer (provavelmente fica do outro lado da rua).

Agora a última dica: No fim de semana a operação de algumas linhas do subway muda. Então, mesmo que você utilize um app, pode ser que ele esteja configurado para os dias da semana e você terá que adaptar o seu trajeto. Por exemplo, num sábado de Setembro minha intenção era sair da 81St em direção a Downtown, mas as escadas para Downtown estavam fechadas e havia um papel explicando a alteração. Então, eu tive que ir até a 125St Uptown para trocar de trem e seguir para Downtown. Foi totalmente intuitivo, ninguém me ensinou e nem perguntei para ninguém, só podia ser assim porque não havia outra lógica! Eu não iria a pé até a 59th (que é uma das estações que nunca param de operar em todos os sentidos). Quem não quer ser pego de surpresa vai reparar que as estações ganham informativos impressos em papel para informar as mudanças nos finais de semana.

Para finalizar sobre o Subway...
Uma vez eu li em um site sobre viagens que era melhor ficar perto das catracas nas plataformas do subway porque são os locais mais seguros. Bem… não sei o que aconteceu com a pessoa que escreveu o post, não posso julgar nenhuma percepção pessoal, mas não vi nenhuma razão para isso. Extremamente seguro e com muitas pessoas, estive em diversas estações, das esquisitas às normais, aquelas dos bairros mais simples e aquelas dos bairros mais “nobres” e cara… Nada aconteceu. Teve uma vez que estive sozinha em uma das muitas estações do Brooklyn e nada de mais aconteceu (e olha que parecia uma estação abandonada do pós-guerra).

Outra coisa interessante que eu vi sobre NY e seu subway foi num programa americano de TV sobre turismo onde o conselho foi não olhar para os outros passageiros porque isso poderia “ativar a loucura” dos mesmos. Mas isso não aconteceu em nenhum momento. Lógico que eu não fiquei encarando ninguém, porque é falta de educação, mas não há nada de mais em olhar para os passageiros. Acho que no fundo, as pessoas devem cometer um ou outro gafe e generalizam o sistema ou a cidade. Mas estou aqui para desmistificar certas “lendas”.

Não se assuste mas você verá muitos ratos nos trilhos do subway. Depois de um tempo você até acostuma. Há ratos em arbustos e moitas pela cidade, no Central Park (mais vistos à noite), mas também há esquilos fofinhos.

Para quem não sabe, você pode descer na estação Howard Beach-JFK Airport (A) e pegar um tram que liga o subway até o aeroporto. Eu sinceramente não sei como é esta travessia, porque eu simplesmente não a fiz. Mas é uma dica para quem não quer gastar de US$80 a 180 dólares de taxi, mas sim apenas o valor do MetroCard ou US$3. Não achei perigoso andar com malas por lá.

 

 

Outras formas de locomoção

 

Totem para emissão de recibo para ônibus

Você pode utilizar o sistema de ônibus com o Metrocard e não pagar nada a mais com isso. Próximo aos pontos de ônibus há uma máquina que você deve passar o seu Metrocard e esta emitirá um recibo provando que você possui créditos no Metrocard e, portanto, pode subir no ônibus. O motorista não checou o meu recibo, mas se ele pedir a você, mostre-o!

Taxi marítimo

Se você estiver no Brooklyn Bridge Park e não estiver a fim de ir até o subway para chegar à Manhattan, pode pegar um atalho pelo New York Water Taxi. A travessia custa US$4 e se você der uma olhada no site, encontrará todos os locais de embarque e desembarque e todos os outros pacotes que eles oferecem, como passear perto da Statue of Liberty à noite ou passeios noturnos no Ano Novo.

Perto do Central Park você pode alugar uma charrete para um passeio "romântico". Eu não fiz e nem faria porque não concordo muito com este tipo de função forçada que atribuem a um animal... Mas enfim... você pode fazer algo do tipo. Não sei informar valores.

Outro passeio é o de "bicicleteiro" (nome dado por mim) que leva duas pessoas (ou 3 pequenas), sendo que é cobrado em média US$3 por minuto. É caro! E não adianta pedir para um bicicleteiro te levar até uma estação de subway dentro do bairro, porque ele só pode andar dentro do parque ou na 5th Avenue.

Outra opção é andar de taxi amarelo pela cidade, considerado símbolo icônico de NY. Não esqueça de pagar o tip e muitos deles já vêm equipados com tecnologia de pagamento acoplado na parte de trás do banco do passageiro, ficando bem na frente do cliente que se sentar atrás. Você opta pelo crédito ou débito e escolhe qual o tip vai dar… que é a partir de 15% do valor da corrida.

 

O 'double decker bus' do city tour

Para quem tem curiosidade sobre as taxas de táxi, aqui vai uma ajuda que me baseei no aplicativo UBER que especifica este valor: US$0.40 por minuto + US$2.15 por milha rodada. Milhas, ok? Não são quilômetros. A tarifa base para entrar no taxi é de US$3. Isso pode variar. Obs: quando esta página foi escrita, não existia UBER no Brasil (e talvez nem exista no futuro ;()

Mas você também vai perceber que haverá um taxi diferente rodando por lá, um verde meio limão. Trata-se do “Boro Taxi” que surgiu no meio de 2013 como uma alternativa para atender a mais turistas e moradores dos 5 bairros de New York City (The Bronx, Manhattan, Brooklyn, Staten Island e Queens), abrangendo cantos da cidade que os taxis amarelos não chegam, porque, segundo pesquisas, os taxis amarelos ficam 95% concentrados em Manhattan e no JFK Airport, dificultando o acesso para passageiros de outros locais. Uma forma para chamar o Boro Taxi é pelo aplicativo que eles mesmos indicam, o “Way2Ride”.

As charretes do Central Park

Para quem tem pique vá de bicicleta, subsidiada pelo Citibank, onde você pode alugar por 30 minutos ou uma semana inteira. Usando em até 30 minutos, você não paga nada, mas tem que devolver nos bicicletários da rede. Uma hora de aluguel custa US$4, um dia (24 horas) por US$10 e 7 dias por US$25. O pagamento é feito por cartão de crédito nos bicicletários em máquina automática.

E como qualquer grande cidade, os ônibus que fazem city tour estão lá. Para conhecer todos os cantos da cidade, você terá que pegar uns 3 daqueles "double deckerbus tour. O passe ilimitado para 24 horas custa de US$39 a 59, depende da promoção do mês. Este de 24 horas você pode pegar o UptownDowntownBrooklyn e Nighttime City Lights (à noite). Dizem que o passeio é bom para ver NY de um outro ângulo. Eu teria pego. Para mais informações, veja no site da empresa Skyline Sightseeing NY.

 

 

Hospedagem

 

Vanderbilt YMCA: Em Manhattan existem uns seis YMCA e todos em boas localizações. Eu acabei caindo no sistema YMCA devido à indicação da escola de inglês. O Vanderbilt YMCA fica a umas 4 quadras da Grand Central Terminal, o que foi muito conveniente para mim!

Quando cheguei lá, era domingo, dia August-10 às 8h e depois de uma viagem sem dormir no avião, me deparo com a informação de que eu só poderia subir ao quarto às 15h. Ok... eu sabia disso, mas é que geralmente os hoteis sempre dão um jeitinho para mimar o hóspede e acomodá-lo o mais rápido possível. Mas o YMCA não é um hotel... é um hostel! Pela segunda vez na vida fiquei num hostel (a primeira vez foi em São Paulo). Então deixei minhas malas e fui fazer uma avaliação do bairro.

Para quem não sabe, este YMCA possui uma academia no andar térreo onde os associados (e hóspedes) podem usufruir de musculação, exercícios aeróbicos, aulas de judô ou karatê, natação e usar os banheiros, até para tomar banho. Então, o local é bem movimentado, com pessoas de todas as idades.

O legal do YMCA é a segurança 24h e as facilidades entre os seus 8 andares como lavanderia (laundry US$1.75 para lavar e US$1.75 para secar) e cozinha sem geladeira mas com fogão. Há computadores onde você pode acessar a internet pagando com cartão de crédito onde cada minuto deve ser uns US$0.20. Você não pode fumar nos andares e quartos, não pode levar ninguém, possui elevador e em cada andar há telefone para ligar na recepção e na segurança.

Além disso, fiquei em quarto individual com ar condicionado e frigobar.

Agora os pontos negativos: o quarto que fiquei no quinto andar parecia um quarto de presídio. As instalações estavam bem antigas e muito usadas, a cortina mais parecia da década de 1970 e tinha muito pó. Há uma escrivaninha e um frigobar, ar condicionado, além da TV da década de 1980 (aquelas de 14"), luminária, prateleira e a cama (com gavetas).

O travesseiro estava com cheiro estranho, então usei meu travesseiro inflável que uso nos aviões e levei por precaução um lençol que me garantiu menos contato com a roupa de cama do quarto. Eu sei que é limpo, mas... sou meio cismada!!!

Outros pontos negativos: são disponibilizadas 2 toalhas. Mas uma vez que trocaram vi que estavam sujas... sabe aquela sujeira que não sai nem lavando? Então... nojento! Por sorte eu tinha a minha própria toalha e troquei as do YMCA por outras limpas e as lavei na launfty com hot water só para garantir. Mas a coisa mais insuportável para mim, foi o barulho. Bem ao lado do prédio havia um complexo e gigantesco equipamento de ar condicionado do prédio vizinho onde o barulho era de enlouquecer quem tem sono leve... ou seja, eu! Por sorte eu sempre levo comigo uns tampões de ouvido que isola 90% do barulho do ambiente. Mas era ruim assistir à TV porque eu não queria deixar muito alto para não atrapalhar outros hóspedes, mas em compensação, não escutava nada.

Cada andar possui seu conjunto de banheiros, sendo estes divididos entre os sexos e aqueles com privadas e pias e aqueles com apenas chuveiros. A primeira vez que entrei nestes banheiros, eu realmente completei a idéia do que é estar numa prisão... Mas depois de uma semana, entrei no banheiro do 4º andar e estes estavam totalmente reformados com azulejos brancos e eram banheiros unissex onde só entra 1 de cada vez! Então, depois desta descoberta, sempre ia no banheiro do andar de baixo. Nada prático mas minha saúde mental agradeceu!

No fim, eu sobrevivi e estar no meio de Manhattan podendo voltar de madrugada a pé ao hostel com fácil acesso do subway compensou tudo! O valor que paguei por noite foi de US$71.
Endereço: 224 East 47th Street.

Devo dizer que a escola de inglês me deu uma opção mais barata de US$59 por noite em homestay. Mas a localidade é sempre uma surpresa, sendo provavelmente no Brooklyn ou até mesmo em Staten Island (me deixando dependente do ferryboat para ir e vir todos os dias). Querendo ou não, a maior parte das coisas e lugares que você quer conhecer estão em Manhattan, então, para mim, não era vantagem nenhuma não ficar no meio "da bagunça". Enquanto alguns colegas levavam até 40 minutos (Staten Islandmuito mais) para chegarem em suas homestays, eu já estava deitada na cama com banho tomado!

No meu outro mês fiquei em quarto alugado pelo Airbnb e também em Manhattan. Esta experiência prefiro deixá-la sigilosa porque a casa de alguém não é uma empresa para avaliar. Mas posso dizer que foi ótima a experiência e o anfitrião rendeu bons momentos de aprendizado e aperfeiçoamento do inglês.

 

Outras opções de hospedagem de 2 a 3 estrelas, mas eu não as conheço:

- Hotel 31, 2 estrelas, quartos básicos e simples até demais, mas a localização é boa em Flatiron District.
- Americana Inn, 2 estrelas, quartos básicos e simples até demais, mas a localização é ótima mas agitada, perto do Bryant Park, no Garment District.
- Colonial House Inn, 2 estrelas, parece ser bem simpático, é como se hospedar em uma casa estilo New Yorker. Boa localização, local mais tranquilo. Fica no Chelsea.
- Herald Square Hotel, 2 estrelas, parece possuir bons móveis, mas é simples como todos 2 estrelas. Boa localização mas é mais agitada, perto do Empire State Building.
- Hostelling International NY, é um hostel em um prédio bem estruturado, região do Upper West Side, mais afastado de toda a bagunça e mais residencial.
Best Western Brooklyn Plus Prospect Park Hotel, 3 estrelas é padrão da rede, proporcionando uma hospedagem sem muitas surpresas desagradáveis, mas que fique claro que eu prefiro ficar em Manhattan. A região deste hotel é boa.
- Washington Square Hotel, 3 estrelas, como o nome diz fica perto do parque Washington Square. Uma opção com ótima localização,perto da estação W4St, que é via para várias outras localidades de NY, o que já é uma vantagem imensa para decidir o local para se hospedar. Me pareceu sr um hotel bem eficiente e arrumadinho e fica no Greenwich Village.
- Hotel Metro, 3 estrelas, perto da Herald Square, parece ser muito bom decorado em art-decó. Boa localização no centro da ilha.
- Courtyard New York, 3,5 estrelas, da rede Marriott, fica numa ótima localização perto da Grand Central Terminal, o que eu acho super prático. Parece ser muito bom tanto de manutenção e decoração.
- Excelsior Hotel, 3,5 estrelas e fica próximo da residência que eu me hospedei no meu segundo mês em NY. No Upper West Side, ao lado do Museu de história Natural. Vale a pena pela localização, mas nos fins de semana pode ser complicado usar o metrô, caso este não funcione.

 

 


 

Informações Gerais + Curiosidades:

 

NY em números:

 

Andaime bem na fachada deste museu

New York possui um pouco mais de 8,2 milhões de habitantes e recebeu 54,3 milhões/em 2013 (o equivalente a quase 150 mil turistas por dia) de visitantes. E o número de visitantes vai aumentando cada vez mais em uma crescida exponencial. Dos turistas, 42,9 milhões são Americanos de outros estados e 11,4 milhões são estrangeiros. Destes estrangeiros, a maioria são de Britânicos, seguidos pelos Canadenses e estes seguidos pelos Brasileiros, depois pelos Franceses e finalmente pelos Chineses. Esta é uma latinha dos 5 Tops visitantes estrangeiros.

O número populacional dos bairros de NYC estão assim: Brooklyn com 2.532.645, Queens com 2.247.848, Manhattan com 1.601.948, The Bronx com 1.392.0002 e Staten Island com 470.467.

E não se assuste com a quantidade de barulho urbano da cidade, que está sempre em reforma, mudança, mutação e com muitos automóveis e sons de sirenes quase 24 horas por dia. Eu vivo em um grande centro urbano e estou acostumada com isso.

E para quem nunca viu, vários prédios possuem andaimes de reforma de fachadas de prédios. São vários prédios em constantes restaurações e manutenções, um dia não estão lá mas quase que em um passe de mágica eles aparecem no dia seguinte! Mas desencane e não se fruste com esta estrutura no seu caminho ou atrapalhando a sua foto, isso é completamente normal, são cerca de 8.000 espalhados pela cidade.

Estava fuçando mais informações sobre NYC e sobre seus números e, para quem tem curiosidade sobre os valores dos imóveis de lá, saiba que indiscutivelmente o Upper East Side é o mais caro tendo o valor médio de cerca de 3 milhões e meio de dólares. Mas isso não é novidade, vamos para os outros 8 mais caros de NYC, sendo:

  • Em primeiro lugar o SoHo (South of Houston Street) é o mais caro, com preço médio de 2 milhões e 700 mil dólares. Andando por lá nem dá tanta sensação de que é tanto assim.
  • Em seguida vem o TriBeCa (Triangle Below Canal Street) e possui pouquíssima diferença do SoHo, sendo 2 milhões e meio de dólares.
  • O terceiro mais caro é o Flatiron District, o que para mim faz sentido, porém o valor já cai absurdamente em relação ao SoHo e o TriBeCa, cerca de um milhão e meio de dólares!
  • O quarto lugar fica para o bairro do Brooklyn chamado Dumbo. Eu passei por lá e até escrevi na página New York III que este bairro vai ser a menina dos olhos daqui a um tempo… e nesta minha pesquisa ele já me pareceu ser a menina dos olhos com imóveis com preços médios a 1 milhão e 400 mil dolares! À primeira vista você pode pensar que a lista está errada, mas vai por mim que, andar por lá a gente respira a atmosfera mudando! Fico feliz quando meu feeling é certeiro!
  • Em quinto lugar vem o Midtown com preços médios de 1 milhão e 250 mil dólares que me espantou até porque eu achava que valeria mais…
  • O sexto lugar é ocupado pelo West Village com preços médios de 1 milhão e 100 mil e foi uns dos cantos de NYC que eu mais gostei pela sua atmosfera, arquitetura e concentração de lojas e restaurantes.
  • Em sétimo lugar temos o Chelsea com preços de quase 1 milhão e 100 mil dólares e
  • Por último, o mais que óbvio, Williamsburg com preços médios a quase 1 milhão. Williamsburg segue a mesma linha do Dumbo e está mudando a cara rapidamente onde, antigos terrenos dão espaço a modernos apartamentos residenciais e devido às suas opções de entretenimento e restaurantes, atrai cada vez mais frequentadores assíduos!

 

 

Visita a Museus:

 

Uma das coisas bem levadas a sério em NY são os seguranças dos museus. Eles ficam a postos e atentos a tudo e a todos, e são bem rígidos caso alguém esteja tirando fotos em locais proibidos ou caso alguém se aproxime demais de uma obra, etc. Bem diferente de alguns que eu vi em importantes museus na Europa. Então siga as regras cara... aqui o negócio é levado à sério!

 

 

Segurança:

 

Desmistificando a lenda de que NY é perigosa: pode ficar tranquilo porque sim, NY é muito segura. No mesmo programa de TV eu vi (que citei acima) uma entrevistada falando que é melhor segurar muito bem a bolsa contra o seu corpo e jamais andar com a bolsa aberta. Porém, foi exatamente o contrário que eu mais vi acontecer e nada de ruim foi testemunhado. A mulherada anda com bolsa aberta em todos os cantos, totalmente "de boa". Lógico que o alto falante do subway avisa para tomar cuidado com seus pertences e principalmente com eletrônicos a fim de evitar furtos, mas isso não intimida quase ninguém a desligar seus laptops no vagão do subway e nem evita que nenhum dos usuários com seus smartphones de última geração esconda-os em seus bolsos e bolsas.

Sim, eu digo que, NY é muito segura e não necessariamente há milhares de policiais na rua. Andando em turma ou sozinha não vi nada de ruim acontecer a ninguém e ninguém me relatou algo negativo em relação à segurança. Há aqueles que falam para tomar cuidado em certos bairro, mas não vá pensando que o Brooklyn, por exemplo, é totalmente perigoso. Há algumas regiões a evitar, lógico que tem, assim como em toda grande cidade do mundo. Mas no geral é tudo muito seguro.

Mas no geral, fique esperto porque NY é uma cidade grande como qualquer outra cidade grande do mundo e alguns furtos podem acontecer!

 
 
 

Fique conectado

 

Em New York, e talvez em todo o USA, há apenas duas companhias de celulares, sendo: T-Mobile e AT&T. Eu optei pela T-Mobile porque havia uma loja  próxima de mim, mas depois me falaram que a AT&T possui um sinal 4G mais forte, o que torna a escolha fundamental principalmente para aqueles que vão sair do estado de NY. Bem, eu não tive problemas com a T-Mobile.

Para comprar um chip, saiba que este custará US$10 e o plano pré-pago mais barato custa US$50. Você precisará levar seu passaporte para realizar a compra! A rede no USA é 4G, certifique-se se seu smartphone comporta este tipo de tecnologia.

 
 
 

Comidas mais encontradas na cidade:

 

Wrap com omelete e bacon a US$6

Parece engraçado mas se você perguntar a um New Yorker jovem ou um cara mais velho, eles vão te responder “pizza” como o prato típico de New York. Mas como pode ser a pizza? Isso é italiano! Pois é… Pizza, meu caro!

E você encontra de todo tipo mas não tão fartamente como se imagina. Tem uma pizza que é vendida a US$2 com refrigerante em estabelecimentos pequenos e obscuros (eu comi e parecia pizza de microondas) a pizzas em restaurantes mais sofisticados ou tradicionais como aqueles que comi no bairro Williamsburg no Brooklyn (veja na página New York III).

Mas o que eu senti é que a omelete é quase unipresente nos menus de vários estabelecimentos como o Cozy Soup & Burger (na página New York I) e o hambúrguer também marca presença. Ah! E o hot dog encontrados em qualquer esquina (texto a seguir em "Comidas de Rua") ou em lanchonetes exclusivas.

Quando se faz uma viagem longa como foi a minha, você descarta comer em restaurantes bons todos os dias porque não há carteira que aguente. Não fui em nenhum restaurante estrelado pelo Guia Michelin mas também não passei fome! Ah! E também não fiquei comendo só podreira!

 

Um dos "comida por quilo" meia boca...

New Yorker adora comida mexicana e chinesa, então, você vai ver redes e restaurantes com estas iguarias e alguns até trazem misturados em seus menus, mesmo não sendo um restaurante mexicano ou chinês, propriamente dito. A comida tailandesa também é bem apreciada e a coreana está tomando cada vez mais destaque. O barbecue americano pode estar presente em alguns lugares, mas não fartamente como eu imaginava, e em todos os lugares você vai ver sanduíches de todos os tipos (mas geralmente sem glúten porque o New Yorker se preocupa com a estética e tenta manter a forma). Eles curtem uma pimenta mesmo em pratos que não sejam de origem apimentada, então, fique de olho caso você não curta pimenta (eu adoro)! E também há muitos estabelecimentos que dispõem de comida por quilo, tanto restaurantes, quanto cafés e supermercados (exemplo do mercado Whole Foods).

Não poderia deixar de citar que o New Yorker adora café. Mas o café deles é bem aguado e geralmente servido em copos de 300 a 750ml. E gelado. Se quiser um café forte, peça o "espresso" que por muitas vezes não chega a ser uma xícara inteira... Os estabelecimentos sempre disponibilizam leite caso você queira diluir o seu "espresso". Você vai inevitavelmente encontrar muitas Starbucks espalhadas pela cidade (se estiver no Outono, prove a bebida quente "Spice Pumpkin" que é uma delícia), mas alguns bairros não. Há muitos Dunkin Donuts e alguns Pret A Manger, sendo que este último eu adorei. Outra franquia que eu gostei foi a Financier, que possui muitos doces e alguns lanches e café. Mas meu professor falou que a franquia que possui o maior número de lojas no USA inteiro é a Subway, e você vai ver algumas por lá. Lógico que você encontra vários McDonald's mas neste, é possível que você coma o seu lanche ao lado de um mendigo!

 
 

Comidas de rua:

 


Você vai achar muitas carrocinhas e trailers da foto ao lado, espalhados pela cidade oferecendo soluções rápidas para quem está com fome e pouco tempo para se sentar em um restaurante. A grande maioria das opções são comidas típicas do oriente médio como falafel, kebabs, etc., mas juntos a hot dogs simples e pretzels. Eu não comi porque não me deu vontade e alguns New Yorkers  falaram que era muito turístico para mim e me indicaram bons lugares para comer um bom hot dog.

Outros trailers oferecem comidas indianas e eu provei e gostei. Devo admitir que deu medinho, mas como alguns colegas comiam todos os dias e vi que não ficaram com caganeira, provei. Gostei mas não dá para comer sempre porque é um prato pesado, meio oleoso. Custou US$5.

 
 
 
 
 
 

 

Água

 

Para quem não sabe, não é comum ter um filtro de água nas residências de NY porque é normal tomar água diretamente das torneiras. Com certeza você já viu isso acontecer em um filme e pensou que "por ser só filme, ok". Mas isso acontece na vida real.

Alguns lugares têm os bebedouros onde eu presumia que a água estava devidamente filtrada. A garrafa d'água mineral por lá varia de preço, marca e tipo (para 500ml não passa de US$4). Mas alguns lugares como a CVS Pharmacy vendem garrafas de água daquelas de academia, com filtro embutido. É meio carinho, quase US$50 com taxas, mas pelo menos você não precisará comprar água mineral a toda hora. O filtro destas garrafinhas não é milagroso, só vai te safar de impurezas óbvias e maiores, então, não vai adiantar pegar água de lugares duvidosos e colocar toda a confiança no filtro.

Mas aí você deve estar pensando... precisa de água filtrada ou mineral? Aí eu falo... depende... Eu sempre fico com relativa alergia com a água do Hemisfério Norte. Não sei por que, mas fico. Eu bebi água mineral por quase dois meses, mas nas duas últimas semanas fiquei com preguiça de comprar água e fiz que nem um habitante local faz: bebi água da torneira sem pré-esquentar. Aí o resultado foram 10 espinhas no meu rosto. Ok, sumiram rápido, cerca de 4 dias sem grandes intervenções. Mas ninguém merece ter cara de adolescente em plena viagem!

Obviamente meu organismo é sensível e se o seu é como o meu, recomendo comprar a sua água. (Para quem não leu sobre a minha alergia à água do Hemisfério Norte em outras páginas, repito aqui que minha pele, nas regiões mais ressecadas, ficam machucadas e coçando.)

 
 
 

Os New Yorkers

 

Alguns dizem que os New Yorkers são mal humorados. Eu os achei gente como a gente, com dias bons e dias ruins. A regra é simples: se você trata bem, sempre será bem tratado. Eu entendo que um mal humor pode aparecer um dia ou outro, mas imagine só, coloque-se no lugar de um New Yorker… não deve ser fácil morar e trabalhar em uma das cidades mais visitadas do mundo! Imagine você tendo apenas 1 hora para almoçar e ter que competir mesa com turistas? Imagine você atrasado em um compromisso de trabalhado e não conseguir andar no seu ritmo porque um número incontável de turistas segue a passos de tartaruga na sua frente? Ah… eu entendo o mal humor de alguns! Mas no geral eles são muito educados, falam “sorry” para tudo, mesmo se foi você quem trombou nele, então... faça o mesmo!

É verdade que eles falam muito rápido e alguns falam sem parar. Mas depois de um tempo, você acostuma. Alguns poucos não te agradecem se você for gentil, mas não pense que isso é falta de educação ou algo do tipo… é só o jeito isolado de algumas pessoas porque, como eu disse, no geral, eles são muito educados, gentis, comunicativos e simpáticos.

 

Foto do Museum of the New York City "explicando" o New Yorker

New Yorker geralmente ajuda quem parece estar perdido e não reclama ou bufa se você pedir informações. Um dia eu estava na plataforma do Shuttle da estação 42St-Times Square rumo à Grand Central. Foi aí que a voz do alto falante comunicou aos passageiros que o Shuttle iria parar na plataforma 3 e não mais na plataforma 1, onde eu estava. Como eu estava escutando música com fones de ouvido, não ouvi muito bem a mensagem e uma New Yorker me avisou por livre e espontânea vontade e gentileza. Coisas assim sempre acontecem, o que te faz amar ainda mais esta cidade.

New Yorker gosta de ficar em forma e, portanto, você vai ver várias academias e várias lojas de suplementos alimentares pela cidade. Com uma dieta regada a carboidratos, um professor meu falou que eles optam por produtos glúten free porque querem manter a forma.

Meu professor falou que as cidades das costas do USA são juntas um “país diferente” do centro do USA, sendo elas totalmente cosmopolita e com pessoas mais abertas às tendências mundiais de todos os campos.

Apesar de vários lugares estenderem suas bandeiras Americanas (o que eu acho muito bom), não necessariamente você respira patriotismo aqui. Lógico que eles se orgulham de seu país, mas não é aquela coisa Americanizada que a gente acha que vai encontrar saindo dos poros.

Eu fiquei um bom tempo em NY e acabei me acostumando e achando tudo normal. Se é a sua primeira viagem internacional, lógico que é tudo diferente e parece até que tudo funciona, mas depois a coisa vai ficando tão normal que você acaba nem fazendo mais comparações do que tem aqui e o que não tem no seu país.

New Yorker é um hard working, mas no meio de tantos afazeres, sempre consegue um tempo para organizar uma passeata, ir ao happy hour, encontrar os amigos, ir a um evento mais requintado e passear em um parque. O New Yorker consegue aliar dever, diversão e cultura de forma plena, o que me fez nutrir uma grande admiração!

 
 
 

Pagamento self-service

 

Em alguns lugares como a CVS Pharmacy (mas nem em todas as lojas da rede) possuem o sistema de "pague você mesmo as suas compras". Sim! Você mesmo pode passar as suas compras na caixa registradora, ensacar e pagar tanto em dinheiro quanto em débito ou crédito. É super prático e a confiança é fantástica! Faz você se sentir realmente que está em um país desenvolvido e te faz se sentir mais honesto do que já é naturalmente. 

Lógico que há um funcionário dando uma olhadinha no que os consumidores estão fazendo e também ajuda com dúvidas de turistas que nunca fizeram isso na vida ou ajudam caso a máquina não obedeça, porque ainda, e ainda bem, a máquina não substitui o homem por completo!

Aproveite para pagar com as milhares de moedas que você inevitavelmente vai colecionar, porque em NY contam-se até as moedas de 1 centavo. Mas só vai fazer isso se não tiver muita gente na fila atrás de você, lógico!

 
 
 
 
 
 

 

Trânsito

 

Como toda cidade grande, New York possui trânsito, onde o trânsito intenso ocorre principalmente no horário de rush. Desta forma, evite compromissos com o uso de carros em horários que isso possa ocorrer.

O trânsito de pedestres também é intenso, pelo menos na época que eu fui e lógico, isso depende qual região você está. Saiba que o turista básico quase não sai das intermediações da Times Square. Evite ao máximo fazer suas refeições por lá até porque o que a Times oferece é bem coisa de turista meio "paga pau" que eu não sou hahahaha. Bem... mas se quiser ir no Bubba Gump ou Hard Rock Café, boa sorte!

Não tive problemas de superlotação do subway, mas geralmente a linha verde é bem cheia e mesmo saindo cedinho do hostel, às vezes eu não conseguia lugar para me sentar no vagão. Só teve uma única vez (em um fim de semana) que eu tive que esperar na plataforma de embarque o terceiro trem passar para eu poder entrar no vagão por conta da superlotação. Considerando os 60 dias que peguei subway e o número desta ocorrência, não é nada mal!

Outra coisa bem bacana que percebi é que é raríssimo encontrar um motoqueiro pelas ruas de New York. Se for um motoqueiro é porque é uma Harley Davidson (ou outra moto de "gente grande")... Então, ao atravessar as ruas, não se preocupe com as motos mas não esqueça do trânsito das bicicletas!

 
 
 

Lavando a roupa suja

 

Foto acima: Lavanderia do hostel. Foto abaixo: o "Softer dryer sheets"

Por não existir lavanderias "self-service" no Brasil e por eu nunca ter lavado roupa num país estrangeiro antes, me senti meio "caipira" na primeira vez que tive que usar uma. Como fiquei 2 meses em NY não tive alternativa e então, compartilho a minha experiência que considero muito boa para dividir com vocês! (Obs: eu AMO roupas limpas)

No meu primeiro mês, fiquei em hostel e neste havia sistema de lavanderia. Para lavar a roupa, o preço por máquina (independentemente da quantidade de peças ou peso das roupas) custou US$1,75. No sistema só é permitido utilizar moedas chamadas de Quarters (ou US$ 0.25). É só colocar as moedas no dispenser e pronto! Para lavar a máquina levou 30 minutos. Você pode escolher entre água gelada, morna ou quente.

Depois disso, era só colocar na secadora e adicionar mais US$1,75 em moedas de Quarters e esperar mais 40 minutos (escolhendo o grau de quentura da máquina entre quentinho, morno, quente e super quente). O legal da secadora é que você pode colocar roupas coloridas e brancas juntas e depois nem precisa passá-las. Não deixe de comprar o "sofrer dryer sheets", que são folhinhas que ajudam a evitar a estática das roupas (Us$6.99 sem taxas) e evitam também que os pelinhos de roupas coloridas grudem nas roupas brancas e vice versa (mas o uso do "sofrer dryer sheets" não é obrigatório, é um complemento). O sabão líquido tamanho pequeno custa US$8.40 sem taxas, comprado em supermercado.

No Hostel era prático porque eu não precisava ficar esperando a roupa ficar pronta ao lado da máquina. Voltava pro quarto e colocava o despertador do meu celular para me avisar que eu voltava à lavanderia.

Quando mudei para o quarto alugado fui a uma lavanderia de rua. O sistema é praticamente o mesmo, bem como o tempo de processo de cada máquina. Porém, é bem mais caro, onde lavar e secar dava US$8 em moedas Quarters. O prático da lavanderia é que há uma máquina que troca notas (bills) em moedas de Quarters, então você não precisa ficar trocando pra lá e pra cá o seu dinheiro para usar as máquinas.

Na lavanderia há 3 tipos de tamanhos de máquinas e sempre usei as menores, por isso que custou US$8. Caso você precise de uma máquina média ou grande, o preço vai aumentando.

Na lavanderia percebi que o New Yorker lava suas roupas fora de casa mesmo. Não é comum as pessoas terem lavadoras e secadoras em suas casas, tanto que em mercados eles vendem bolsas para você carregar suas roupas de lavanderia… e eles têm este nome mesmo! Não são bolsas genéricas que servem para tudo! São específicas para carregar roupas!

 
Um ponto negativo é que você tem que ficar lá esperando, mas não foi nada sacrificante para mim, que tinha um bom tempo na cidade para usufruir… Sei que para quem fica pouco tempo, quase 1h30 em uma lavanderia é quase um pecado! Mas em contrapartida, entre um processo e outro eu ia no mercado que tinha lá perto, então, deixei a paranóia de que iriam pegar minhas roupas e só voltava lá faltando 10 minutos para o término. Este sistema é igual em qualquer lavanderia "faça você mesmo" da Europa. Só os valores irão mudar.

Outro ponto negativo é que às vezes tem tanta gente usando as máquinas que elas acabam usando, por exemplo, uma máquina de lavar e depois duas máquinas para secar. Acontece que pode ser que você fique um tempo com roupas lavadas esperando uma secadora vagar... e se bobear, alguém pode pegar a máquina que vagar antes de você! Para isso não acontecer, vá o mais cedo possível.

 
 
 

Temperaturas e Horários do Nascer e Por do Sol

 
O Americano usa o Fahrenheit (ºF) para medição da temperatura, mas como o sistema mundial é em Celsius, vou explicar em Celsius mesmo! E eu nunca consegui fazer conta de cabeça para saber qual temperatura estava, então, sempre usei meu celular para isso!

O verão pode chegar a 40ºC e o inverno a -15ºC, então faça sua escolha dos extremos! Em Agosto estava calor chegando até uns 35ºC, porém, como NY está cercado pelo Oceano Atlântico e o Hudson River, a sensação é abafada.

Estando no meio de tantos prédios gigantes nem precisei usar óculos escuros, mas saiba que Agosto de 2014 não fez o calor forte que se esperava e só fez tempo feio um dia! Uma maravilha!

O fim do verão é comemorado no primeiro fim de semana de Setembro e o tempo muda de verdade! Começam os dias nublados, uma chuvinha e outra, mas nada que tire o ânimo dos turistas. Mas quando Setembro vai terminando um casaquinho é necessário usar. Fui embora no dia 08 de Outubro e desde o dia 1º o sol forte voltou a brilhar firme e forte, porém as noites estavam geladas. Mais para a metade de Outubro a coloração de Outono das árvores fica aparente e sugiro passear mais nos parques ou para cidades mais afastadas da cidade, a fim de observar mais a mudança da coloração. O inverno já bate na porta em Novembro, com mudança bem rápida da temperatura, mas me falaram que Janeiro e Fevereiro são os meses mais frios do Inverno e até a Times Square pode ficar vazia.

Acompanhar a previsão do tempo na internet ou em um aplicativo de smartphone não vai adiantar muito, porque a todo instante o negócio mudava. Então, fique mais atento à média mensal histórica que adiciono aqui no site. Além disso, há a informação dos horários de nascer e por do sol para que te ajude a decidir qual o mês você irá para lá.

 
 
 

 

Mercados de NYC

 

Esqueça os hipermercados gigantescos, porque aqui não há e nem perdi o meu tempo em um. Aqui estou falando dos mercados normais.
 
NY possui muitos mercados e alguns você vê um híbrido de mercado e farmácia, fica até confuso classificar este tipo de comércio. Você verá muitas lojas da rede Duane & Reade e outra chamada CVS. Eles vendem muitas coisas para higiene pessoal, maquiagens, balas, biscoitos, iogurtes, macarrão para preparar em casa, refrigerantes, sanduíches naturais, saladas, higiene domiciliar, material escolar, e remédios. Então, caso precise destas coisinhas do dia a dia, vai ser fácil encontrar uma dessas redes e sanar a sua necessidade.

Mas também há mercados mais clássicos com tudo isso e mais outras coisas como açougue, carnes processadas (presunto, salame, etc), queijos, pães, produtos para preparo em casa (molho de tomate, arroz), hortifruti (frutas, legumes e verduras), temperos, etc… Estes eu indico a rede D’Agostino que são ótimos, mas infelizmente não estão em cada esquina.

Alguns outros mercados oferecem os mesmos produtos que o D’Agostino e os que diferencia são os buffets de comida que você pode comer lá nas mesinhas ou levar para casa. Este é o Whole Foods que sempre está cheio e é mais popular e o Citarella, que é um tanto mais sofisticado! A rede Citarella é um mercadinho bem menor com mais cara de padaria paulistana, onde o foco são as carnes processadas de ótima qualidade, possui um buffet onde o atendente é quem pega a comida para você (bem mais higiênico) e vai ser difícil você se arrepender das coisas adquiridas de lá.

No West Side há vários outros mercados (como o Faraway ou o Gristedes) mas são mais simples. Estes que eu citei são os melhores para realizar suas compras, sendo o D’Agostino o melhor, eleito por mim, para compras de mercado, exceto para as carnes embutidas. Ah! Vale citar duas coisas: o atendimento é muito bom de todos eles, muito bom mesmo e… nos mercados o ar condicionado está sempre abaixo de 0ºC.... são brutalmente gelados e eu não sei por que!

 
 

 

Dicas dos New Yorkers:

 

Quando você viaja, a melhor coisa é conhecer gente de lá e pegar dicas bem legais com eles. Estando no século da conexão, uma das dicas que me passaram foi o aplicativo UBER que é para chamar um taxi facilmente e não precisa pagar o tip. Além de você cadastrar seu cartão de crédito, não precisa ficar contando as suas notas de dólares. O que eu achei é que, pelo UBER, as tarifas foram até mais baratas daquelas que as pessoas me estimaram pegado o taxi amarelo normal. Bem… achei uma dica super importante para o meu site. Os carros acionados pelo UBER não são aqueles tradicionais taxis amarelos, então, observe bem os detalhes sobre o carro que o aplicativo irá fornecer. Utilizei o app duas vezes.

Outra dica é nunca precisar usar a ambulância porque a corrida numa delas pode te custar US$1000, sendo ela 15 mil quarteirões ou 3 quarteirões de distância. Então, cuide muito bem de sua integridade física para não precisar utilizar este serviço médico.

O New Yorker gosta muito de achar novos restaurantes pelo aplicativo Yelp e gosta de checar o que que está acontecendo na cidade pelo site Time Out. Então, faça o mesmo para não perder nada do que a cidade tem a oferecer!

 
 
 
 

Compras em NYC

 

Para quem está com expectativas de comprar muitas coisas nesta cidade, saiba que a expectativa pode atender, superar ou broxar. Dependendo de onde você mora, a inflação que você vive, o plano econômico que seu país possui, enfim... o poder de compras em NY depende muito de quão forte é sua moeda natal. Eu venho de um país que já teve moeda forte mas agora não vale quase nada. Então, muitas coisas em NY são quase os mesmos preços daqueles encontrados no meu país. Mas, artigos eletrônicos ainda possuem vantagem de até 38% de economia!

Para quem não sabe, as taxas de impostos para cada produto é de 8,875%. Então, faça as contas quando vir os produtos nas prateleiras para não ter uma "falsa sensação" de que tudo é mais barato do que realmente é.

Mas o importante a saber é que, quando você passar o seu cartão de crédito ou débito, mesmo ele tendo senha e chip de segurança, 95% das máquinas do USA vão passar sem a necessidade de você inserir a sua senha. Portanto, preste a atenção no que está fazendo a todo momento, quando for efetuar seus pagamentos!

Se você for comprar 200 gramas de presunto em um mercado, vai ter dificuldades em expressar a sua vontade em pounds. Eu até hoje não sei converter de cabeça, mas utilize aqueles aplicativos de smartphones ou faça como eu: pedia em fatias, por exemplo, "10 slices". Bem mais fácil e rápido!

Agora algumas dicas de locais e lojas, onde, eu espero ajudar você a se organizar e não perder tempo em lugares que não fazem sentido:

  1. Woodbury é para quem tem pelo menos 1 dia inteiro para se dedicar a ele e procura por marcas mais sofisticadas e outras de alta-costura, lógico que tem lojas mais medianas e populares também. É um grande "condomínio de lojas" a céu aberto e grande, muito grande! Para quem quiser aproveitar ainda mais os bons preços, opte por fazer sua viagem no feriado de Thanksgiven, no final de Novembro e no Natal. Vai passar frio (porque lá é aberto) mas pode sair vestido com algo de lá. Algumas lojas possuem ofertas especiais durante a madrugada e somente na madrugada... mas nem todas as lojas sequer abrem de madrugada. Para chegar você pode ir de carro ou optar pelo ônibus que sai perto da estação 42nd-Port Authority ou na 3rd Avenue na região do East de Manhattan. Sugiro procurar a empresa Shortline Bus que oferece este serviço de ida e volta por US$40. A viagem dura 1h.
  2. Jersey Gardens fica mais próximo de Manhattan (30 mins indo de Path e depois ônibus em New Jersey pela NJTransit. Mas há ônibus que saem da 42nd-Port Authority em Manhattan). O Jersey Gardens é como se fosse um gigantesco shopping mall coberto e não é igual ao Woodbury no sentido de "marcas". O Jersey oferece marcas mais medianas a populares. Dependendo do que você quer comprar, pode achar em Manhattan com o mesmo preço¹ Fique esperto.
  3. TJ Maxx é uma opção em Manhattan, que funciona como loja multi-marcas em estilo desarrumado e muitas araras para se garimpar. Você pode ter a sorte de achar uma peça boa por lá e fica na 620 Avenue of the Americas, perto das estações 14th (F,M) ou 18th (1).
  4. Loehmann's é uma opção para sapatos e acessórios. Tem vários endereços inclusive nos cafundós do Brooklyn e até no The Bronx. Os que eu destaco aqui são os da 101 7th Avenue perto da rua W16th Street e da 2101 Broadway, perto da estação 72th Street (1,2,3).
  5. Filene's Basement é uma opção que inclusive uma das lojas fica no mesmo prédio da TJ Maxx. Oferece algumas opções mais alta costura. Há outro endereço na 2222 Broadway perto da estação 79h Street (10).
  6. Century 21 é talvez a mais famosa e com certeza é cheia. O térreo dela é lotado e achar peças boas nem sempre é garantia. Possui vários endereços mas a maior e mais famosa fica perto do WTC, no 22 Cortlandt Street próximo das estações Fulton Street (4,5) e Cortlandt Street (N,R).
  7. Burlington Coat Factory é para quem quer comprar casacos e até casacos para invernos mais rigorosos. Há uns 2 endereços em Manhattan, vá na 707 Avenue of the Americas, fica perto da TJ Maxx.

Se eu fui em todas? Lógico que não, até porque minhas viagens nunca têm como objetivo comprar coisas. Mas como ninguém é de ferro e eu tinha muitos dias a desfrutar, fui na Century 21 e de todas as 3 vezes que andei por lá, uma delas eu saí com as mãos vazias. 

 

 

Jogos esportivos

 

Eu não assisti a nenhum jogo de basquete, beisebol ou futebol americano porque os únicos que estavam rolando nos meses que estive por lá foram de beisebol e eu não tive vontade. Mas sei que um pouco depois que eu fui embora, em Outubro de 2014, a temporada de basquete começou e alguns colegas assistiram no Madison Square Garden.

Para acompanhar os locais e datas dos jogos, sugiro conferir no site do StubHub. Assim, você se programa antes mesmo de viajar!

 

 

Tomadas elétricas

 

O modelo de tomadas do USA é diferente do Europeu e do Sul-Americano (no caso do Brasil, estou comparando ao modelo antigo "normal").

Caso você não tenha um adaptador ou vá comprar algum eletrônico por lá, encontre um adaptador na CVS Pharmacy (ou similares) que custa uns US$5.98 com taxas.

 

 

Moedas Americanas

 

Foto: http://www.bandeirasnacionais.com/moeda/dolar/estados-unidos

Além de temperatura, os pesos e os quilômetros, as moedas também são diferentes. Então vale a pena saber:

  • Primeiro, as moedas são leves e são utilizados TODOS os centavos!
  • Segundo, vamos lá: ONE CENT é um centavo, FIVE CENTS é cinco centavos, ONE DIME é dez centavos, QUARTER DOLLARsão vinte e cinco centavos, HALF DOLLAR são cinquenta centavos e ONE DOLLAR é um dolar (foto ao lado, da esquerda para a direita).

 

 

 

Don't forget the TIP!!!! (gorjeta)

Para quem não sabe, há muitos prestadores de serviços que não possuem um salário fixo e, portanto, dependem de sua gorjeta (tip). E isso é tão verdade que há estipulação de no mínimo 15% até 22% do valor da nota fiscal. Uma dica que eu li uma vez é você pegar a conta, checar a taxa de impostos que vem destacada na mesma conta (separadinho) e multiplicar por 2. O resultado é o tip de 18%. Eu sempre fiz a conta mas muitos estabelecimentos estão adicionando 3 valores sugestivos de tip no rodapé da nota fiscal, o que facilita e muito para quem esqueceu uma calculadora, não levou o celular ou simplesmente não faz contas de cabeça.

Geralmente eles te darão vários papéis fiscais. O primeiro é para saber quanto foi e você calcula o tip. Depois eles te darão dois papéis separados sendo que estará impresso o valor do consumo + o valor do imposto e na linha seguinte você deve escrever o valor do tip e na linha final deve somar tudo. Se você está usando cartão de crédito, mesmo com chip de segurança, o cartão será creditado e voltarão com ele só para você assinar o papel, tomando consciência do valor que você escreveu. Nunca esqueça de usar o PONTO e não a vírgula no lugar das casas decimais.

Saiba que a grande maioria dos serviços são necessários os tips, tais como: cabeleireiros, taxistas, porteiros, garçons, empregadas domésticas, massagistas e maître. Pelos exemplos, fica até difícil saber quanto dar de tip se não é um restaurante que vem algo mais fácil de somar ou multiplicar, certo? Então segue uma lista para ajudar a saber os valores dos tips destes profissionais:

Hotel & Transportes (valores de 2014)

  • Motorista do transporte: US$2 / pessoa 
  • Valet / assistente de estacionamento: US$ 1 a 5
  • Pessoa que carrega sua bagagem: US$1 a 5 / mala ou bolsa 
  • Porteiros que te ajuda a chamar um táxi: US$1 a 2 (mais se estiver chovendo ou nevando) 
  • Concierge: US$5 a 20 por reserva (se você der mais, a reserva fica melhor) 
  • Serviço de limpeza: US$1 a 5 / noite (deixe em um envelope para que a equipe de limpeza saiba que é para eles) 
  • Serviço de quartos, garçons de hotéis, cantores e bartenders: 15-20% do valor, no mínimo (a não ser que o hotel acrescente a gratuidade automaticamente) 
  • Taxi / Limo Drivers: 15-20% do projeto de lei (se você estiver usando um cartão de crédito, considere os 20% uma vez que os motoristas costumam absorver esses custos do cartão de crédito) 
  • Guias de turismo: US$2 a 5 para viagens de grupo; US$10 a 15 para passeios particulares ou passeios de cruzeiro 

Restaurantes e viagem (valores de 2014)

  • Pizza Delivery: Pelo menos US$ 1 ou 15% (o que for maior), mas seja muito mais generoso se você pedir o delivery quando estiver chovendo forte ou nevando
  • Valet / assistente de estacionamento: US$1 a 5
  • Atendente de chapelaria (Coatroom): US 1 a 2 por casaco ou bolsa 
  • Anfitrião ou Maître: US$10 a 20 (depende da ocasião)
  • Garçons: 15-22% do projeto de lei antes de impostos (incluindo o álcool) 
  • Wine Steward / Sommelier: 10% da factura de vinho 
  • Atendente de banheiro público: US$1 a 3 
  • Locais onde há "Tip Jars" ou jarras de tips: bem... é opcional, mas caso ache que o serviço em geral foi bom, deixe de 5-10%Bartenders: 20% da nota fiscal ou (no mínimo) US$1/cerveja ou US$2/vinho e US$2/bebidas mistas e coquetéis.
  • Take-out: 10% 

Serviço de limpeza, cabeleireiros, Pet Care & More 

  • Cabeleireiros / barbeiros: 20%, adicionar mais caso o trabalho for complexo ou difícil 
  • Depilação / Facial: 15-20%, adicionar mais caso o trabalho for complexo ou difícil 
  • Manicures: 15-20% 
  • Polidor de sapatos: US$1 a 2 
  • Massagistas: 10-20% 
  • Faxineiras: 10-15% 
  • Encanadores: não necessário a menos que o serviço seja excepcional (tenha em mente que eles estão trabalhando com dejetos humanos, convém dar tip)
  • Dog Groomers: 15% do total da conta (adicionar mais caso haja mais trabalho sobre o seu cão) 
  • Entregas de flores: US$2 a 5

 

 

 

Gratuidade dos Museus

 

Pra facilitar a sua vida, entrego um esquema dos locais que possuem datas de entrada gratuita ou no modo "pay what you wish". Assim facilita e muito a sua programação por lá daquilo que pode ir ou não. Eu deixei no meu calendário do celular para me avisar dia a dia, mas confesso que se você imprimir algo do tipo, ficará mais fácil para visualizar a viagem inteira, principalmente se não tiver 60 dias como eu para curtir NYC.

 

 

 

Gratuidade dos Museus Itinerário de Viagem

 

 

 

Eventos mês a mês

 

Janeiro: Fique de olho em Chinatown e seu Ano-Novo chinês, pois, parece ser bem interessante.

Fevereiro: Ocorre em vários pontos da cidade o Black History Month com eventos afro-americanos. É o mês de boas liquidações nas lojas de departamento.

Março: Apesar do frio de começo de Primavera em Março, você pode ser recompensado com o Saint Patrick's Day Parade. Mas não são só os Irlandeses que comemoram neste mês, há os gregos com a Greek Independence Day Parade.

Na época da Páscoa, a loja Macy's faz o seu Easter Flower Show e fica toda florida e a Easter Parade ocorre em volta da Saint Patrick's Cathedral, com muita gente usando chapéus exóticos.

Abril: começa a temporada de beisebol e do NYC Ballet.
Maio: para quem gosta de pedalar, aproveite o Five Boro Bike Tour. Os cubanos têm a sua festa com a Cuban Day Parade na 6th Avenue entre a 44th e o Central Park South. Para quem é mais de comer, aproveite o International Food Festival and Street Fair, com comidas étnicas e apresentações (na West57th a 37th).
Junho: Celebre o Puerto Rican Day Parade e aproveite o Museum Mile Festival, que oferece entrada gratuita a vários museus que ficam na 5th Avenue entre a 82d Street até a 105th Street.

Entre Junho e Agosto o Central Park possui muitas atividades de imensa variedade artística, fazendo sol ou chuva, a programação segue. Além disso, há concertos gratuitos em parques da cidade.

Julho: Celebrando o dia da independência norte-americana, uma dica é ver os fogos de artifício da Macy's Firework Display. Aproveite para dar uma boa checada nas feiras de artesanato e nos festivais de Mozart e outros do Lincoln Center.

Agosto: Não deixe de ir no Harlem Week, com muita música, dança, esportes, arte, moda e etc para apreciar. Fique de olho se está acontecendo o Out-Of-Door no Lincoln Center com dança e teatro gratuitos.

Setembro: Lá tem um feriado chamado "Labor Day" (dia do trabalho) e cada ano cai em um dia diferente, sempre na primeira segunda-feira de Setembro, então, em 2014 caiu no dia 1º de Setembro. É um feriado que ocorre desde 1882 como homenagem aos trabalhadores norte-americanos, sendo assim, é um feriado federal onde quase tudo fecha e também marca oficialmente o fim do verão. E para comemorar, existe a NYC Labor Day Parade organizado pelo NYC Central Labor Council. Apesar do dia ser 01º de Setembro, a parade ocorreu dia 06 de Setembro às 10h entre a 5th Avenue e W44th Street.
No final de Setembro tem a Von Steuben Day Parade, porque os germano-americanos também celebram o seu dia!
Há três festas previstas para Setembro sendo: West Indian Carnival, Brazilian Day, Feast di San Genaro e o Von Steuben Day Parade. Este primeiro nem fiquei sabendo, o segundo eu dei uma passada e o terceiro aconteceu mas foi tão discreto que nem parecia que estava rolando e o último dos alemães eu até vi algumas pessoas vestidas com roupas da Bavária mas eu já tinha compromisso...

Outubro: Columbus Day Parade que homenageia a descoberta da América por Colombo. É o mês que você já pode patinar no Rockefeller Center(acho que mais pro dia 20 do mês). Halloween Parade no Greenwich Village e todo mundo fica fantasiado no dia 31 e o campeonato de basquete começa.

Novembro: Espante o frio correndo na NYC Marathon. Participe do Dia de Ações de Graças do Macy's Thanksgiving Day Parade com desfile de carros alegóricos, grandes balões de ar e até o Papai Noel aparece por lá hahahahaha.

Dezembro: A famosa árvore de natal do Rockefeller Center é ligada e há a festa de reveillón com fogos de artifício no Central Park e festa na Times Square.

 

 

Comodidade:

 

Para quem procura conforto e comodidade para ir e vir em New York, pode procurar o serviço de transporte Uliana Tours. Dá pra fazer passeios a cidades mais próximas como Washington DC e Boston e a vários outros pontos da própria NY.

Para os brasileiros eu recomendo porque o condutor é brasileiro regularizado no país e para quem é estrangeiro também recomendo porque ele tem inglês fluente.

 

 


 

ATENÇÃO: Algumas informações descritas no site podem mudar, como por exemplo, preços, horários de funcionamento e até mesmo endereços. Consulte sempre antes de ir! Não possuímos vínculos com as empresas, serviços e profissionais mencionados neste site 😉

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por