EnglishPortugueseSpanish
BERLIN
Postado por Estela T em novembro 29, 2013 Editado em junho 26, 2017
berlim-01

Berliner Dom e escultura "3 girls and 1 boy"

BERLIN (Berlim) é a capital da Alemanha, relativamente grande como várias outras contendo museus importantes para o mundo e uma diversidade de restaurantes e pessoas do jeito bem cosmopolita. Porém, não pense que vai encontrar tudo 24 horas aberto!

Fomos em Setembro de 2013 pisando na cidade no comecinho e no fim daquele mês. Posso dizer uma coisa: chegamos com temperatura amena e com noite friazinha e saímos no fim do mês com um frio quase de incomodar!. Esqueça as dicas de fontes especializados que dizem que o Outono na Alemanha é a melhor época para viajar para lá, sendo Setembro o mês eleito como o melhor, com tempo seco, temperaturas agradáveis e um colorido das árvores fascinante! Esqueça esta balela! Eu fui nesta orientação e me dei mal: chuva fria, garoa fria, frio, tempo nublado, 5 minutos de sol por cidade visitada e ventos geladíssimos e a vegetação triste. (Nota: o roteiro incluía varias outras cidades da Europa Central e todas com este tempo tenebroso).

Além disso, nesta minha viagem, tive que deixar um tempinho para comprar agasalhos e luvas para me proteger da hipotermia (em Praga, antes de voltar a Berlin), além do mais, sou brasileira do sudeste, poxa! Mas querendo ou não, o frio traz mais disposição do que o calor... subir e descer escadarias, andar durante 14 horas por dia, tenho certeza de que não seria possível no calor.

Neste blog, as informações podem mudar. Então, horários de funcionamento, preços e etc. é melhor sempre você conferir nos sites oficiais de cada local. Adicionei links de todos os locais ao longo da leitura abaixo.

 

Se locomovendo em Berlin

 

Buddy Bären (Urso Camarada)

Buddy Bären (Urso Camarada)

É fácil se locomover por Berlin com o metrô. Provavelmente nas plataformas você vai encontrar a máquina para a compra dos bilhetes e um pouco depois da mesma, irá encontrar a máquina que valida  o início de uso do bilhete. Então é certo que, você indo direto às plataformas vai encontrar as máquinas (confira, porque eu não fui em todas as estações para checar, mas provavelmente todas as plataformas seguem o mesmo padrão). As estações que utilizamos, nenhuma possuía catraca.

A cidade é sabiamente dividida em 3 zonas (A, B e C) e desta forma, você pode comprar o seu bilhete com preços diferentes conforme as regiões da cidade que irá percorrer de metrô (veja o mapa à esquerda abaixa com as limitações A, B e C e na foto à direita o visor que é mostrado na hora da compra do bilhete). Para o circuito turístico básico, as regiões A e B são as que você mais vai utilizar, então compre o bilhete para as zonas "AB". Você não vai encontrar nenhum funcionário do metrô em nenhum lugar e em nenhum momento, mas dizem que se um fiscal te pegar sem o bilhete validado dentro de um trem, a multa é alta.

Uma estação bonita, dentre várias feias

Uma estação bonita, dentre várias feias

Caso tenha dúvida ou precise de ajuda, há uma outra máquina pra você apertar um botão de SOS ou informações e um funcionário vai falar com você por esta máquina, mas eu acho que só vão responder em alemão... não tenho certeza. Outra dica: utilize as moedas porque algumas notas não são aceitas pelas máquinas, o que pode te aborrecer (as notas novas de €5, por exemplo, não são aceitas, pelo menos até aquele momento de Setembro/2013).

Uma coisa muito boa do metrô é que em todas as plataformas há um visor que mostra em quanto tempo o veículo vai chegar. E quando estiver apontando "1 min" pode apostar que ele vai chegar em poucos segundos! É fantástico!

Caso vá pegar táxi com hora marcada, não esqueça que eles são extremamente pontuais! Pontuais de verdade! Então, não passe vergonha e fique pronto pelo menos 5 minutos antes do horário marcado, ok?!

Dica: o sinal para identificar o metrô é a letra U. Para o tram é S e para o trem geralmente é DW.

Sobre a locomoção de trens interestaduais ou internacionais, veja em Dicas Europa Central onde concentrei todas as dicas para os 5 países da região!

O passe de uma (01) viagem custa €2,60 e o que dura 24 horas com viagens ilimitadas custa €6,70. Você pode adquirir o Berlin Pass que além dos museus inclui o transporte na cidade. Veja em Dicas Europa Central.

Mapa do metrô de Berlin

Mapa do metrô de Berlin

Tickets validados!

Tickets validados!

Visor da máquina de compra de tickets em inglês

Visor da máquina de compra de tickets em inglês

 

Brandemburger Tor

 

Brandenburger Tor à noite

Brandenburger Tor à noite

A cidade oferece pontos turísticos relativamente próximos uns dos outros e é inevitável não passar no Brandenburger Tor que é uma espécie de "arco do triunfo", símbolo da cidade e único remanescente de uma série de outras entradas da cidade.

Sua construção foi ordenada pelo rei prussiano Frederico Guilherme II (Friedrich Wilhelm II) e executada pelo arquiteto Carl Gotthard Langhans. Possui 12 colunas dóricas de estilo grego com 5 vãos centrais por onde passam 5 estradas. Sobre o arco está a "quadriga" (estátua da deusa grega Irene - deusa da paz, em uma biga puxada por quatro cavalos). Suas dimensões são: 26 m de altura, 11 m de profundidade e 65 m de largura (visto de frente).

Você pode passar lá de dia para tirar fotos e até fazer um passeio com os “bicicleteiros” (eu não sei o nome oficial disso), mas recomendo voltar ao Portão à noite onde a luz amarelada meticulosamente projetada no monumento e com o céu azul marinho  ao redor, forma a combinação visual mais incrível da cidade! Apesar de ser um monumento simples, é bonito e com a vantagem de ser de fácil acesso.

 
Informações:
Endereço: Pariser Platz, 10117
Monumento em local aberto
 
berlim-09

 

Holocaust-Denkmal

 

O memorial (parte superior)

O memorial (parte superior)

Estando de frente ao Brandenburger Tor, já se programe para visitar o que há na parte de trás do portão. Indo para a esquerda, rapidamente você avistará o Holocaust-Denkmal que é um memorial aos judeus assassinados na Europa e foi projetado por Peter Eisenman.

Você pode visitar livremente o memorial andando entre as estruturas de concretos que simulam lápides. Não esqueça que há uma exposição abaixo do memorial. Aproveite porque a entrada é gratuita! Eu não tive a oportunidade de conferir a parte subterrânea...

Vale lembrar que o Holocaust-Denkmal é um memorial e, desta forma, não é permitido subir em cima dele ou ficar pulando de um lado para outro. Mesmo se você vir algumas pessoas fazendo isso, não fique tentado em fazer o mesmo porque certamente, você vai levar uma bronca.

 
Informações:
Endereço: Cora-Berliner-Straße 1, 10117
Monumento em local aberto
Horário de funcionamento da exposição no Centro de Informação: de abril a setembro Ter-Dom 10-20h, Out-Mar: 24-26, Ter-Dom 10-19 h. 01 de Dez até  31de Jan aberto até 16h. Abertos nos feriados
berlim-08

 

PostdamerPlatz

 

O jeitão moderno da linda praça

O jeitão moderno da linda praça

Mais à frente do monumento Holocaust-Denkmal (lado oposto  do Brandenburger Tor) está a famosa PostdamerPlatz e digo que é uma praça moderna e bonita de verdade. Não espere uma praça clássica com árvores e fontes... é exatamente o que está na foto.

O nome é em homenagem à cidade Postdam.

Há um pequeno exemplar do muro de Berlin exposto. Sei que bem perto deste ponto onde foi feita a foto, ainda há uma exposição intitulada "Topografia do Terror", deve ser bem legal, mas infelizmente não fui. Outro lugar que não conheci foi o Sony Center, mas sei que vale muito a pena a visita por conta da arquitetura do prédio.

Por um bom tempo este lugar não era assim. Devastada na Segunda Guerra Mundial e esquecida durante a Guerra Fria (tendo ainda o Muro de Berlim atravacando-a praticamente no meio) e apenas na década de 1990 é que começou a tomar a forma que vemos hoje.

Apesar de minha rápida passagem neste canto de Berlin, a atmosfera do lugar valeu a pena... parece que você está numa outra era, como num futuro não muito distante mesmo ela não sendo muito tecnologicamente diferente do que estamos acostumados a ver, mas creio que o conjunto dos prédios deixou o local tão harmônico que é possível achar que não é real.

Quando eu voltar a Berlin farei comentários mais consistentes quanto à negligenciada (por mim) Postdamer Platz.

berlim-13
berlim-12

 

Reichstag

 

berlim-14Do lado direito do Brandenburger Tor você encontrará o Reichstag que é o Parlamento Alemão. A construção do prédio começou em 1884 e terminou em 1894. A cúpula viria a ser composta de aço e vidro, técnica avançada para a época. Com o fim da 1ª Guerra Mundial e a renúncia do Kaiser, a república foi proclamada da sacada do Reichstag no dia 9 de Novembro de 1918.

Como entrar lá? Bem... você tem que fazer uma reserva porque as entradas são controladas com número limitado de visitantes. Então, eles distribuem as pessoas em grupos somente para controle de entrada e saída.

No dia que fomos, estava confusa esta informação mas nos mandaram ir na rua Scheidemannstraße 1 (que fica do lado do Reichstag, local onde tirei a primeira ao lado foto) e fazer a reserva no “BERLIN Pavillon am Reichstag”. Lá você avista um painel eletrônico onde consegue checar os horários e a quantidade de pessoas que já fizeram reservas. Desta forma, se você quiser entrar em um determinado horário, dá uma olhada na fila à sua frente e acompanhe o preenchimento de cada horário pelo painel (o limite é de até 100 pessoas a cada hora). Muitos preferem fazer a reserva para o dia seguinte, nós fomos na hora que dava, ou seja, naquele  exato momento, à noite. Não pagamos nada para entrar e só foi necessário mostrar o passaporte, passar a bolsa no detector de metais e obedecer o rapaz que organizava a entrada e saída do Reichstag.

No dia que fomos não havia reunião parlamentar, mas o céu lá fora e as luzes do Reichstag formaram um cenário incrível!. Você pega um audioguide gratuito e ao longo da subida na rampa para alcançar o topo da cúpula, ele fala a história de algum prédio que é avistado de dentro do Reichstag. Um dos audioguides mais inteligentes que eu usei!

berlim-15Um pouco mais sobre o prédio histórico: Um mês após a nomeação do insano Adolf Hitler para o cargo de Chanceler da Deutschland, o prédio foi incendiado. Acredita-se que o incêndio tenha sido iniciado em vários lugares e quando a polícia e os bombeiros chegaram ao local, houve uma grande explosão na Câmara dos Deputados e a polícia encontrou Marinus van der Lubbe sem camisa, dentro do prédio.

Lubbe era um conhecido agitador comunista e desta forma, os nazistas imediatamente declararam que o incêndio fora causado pelos comunistas. Os dirigentes do partido foram então presos e Hitler, tirando proveito da situação, declarou estado de emergência e encorajou o então presidente Paul Von Hindenburg a assinar o "Decreto do Incêndio do Reichstag", que suspendia a maioria dos direitos humanos garantidos pela constituição de 1919 da República de Weimar.

No final Lubbe confessou que ateou fogo em protesto contra o crescente poder dos nazistas, obviamente, confessou após muitas torturas. Ele foi condenado à morte e decapitado em 1934.

Ao contrário do que se imagina, durante os doze anos do Terceiro Reich (Drittes Reich), o Reichstag não foi usado para sessões parlamentares porque o prédio ficou muito danificado pelo fogo. Este foi usado para fins de propaganda e, durante a 2ª Guerra Mundial, para propósitos militares.

O prédio foi danificado também por ataques aéreos durante a guerra e principalmente durante a "Batalha de Berlim em 1945", foi um dos alvos principais do Exército Vermelho, pelo seu valor simbólico. Após guerra, o prédio, em ruínas, deixou de ser usado, já que a capital da Deutschland Ocidental foi fixada em Bonn em 1949. Em 1956 foi decidido que o Reichstag não deveria ser demolido, mas sim restaurado. Infelizmente a Cúpula do prédio original havia sido destruída. Paul Baumgarten trabalhou em sua reconstrução de 1961 até 1964.

Até 1990, o prédio foi usado apenas para encontros ocasionais e para uma exposição permanente sobre a história alemã chamada Fragen an die deutsche Geschichte ("perguntas sobre a história alemã"). A cerimônia oficial da Reunificação Alemã (Wiedervereinigung) realizou-se no Reichstag em 3 de Outubro de 1990 e no dia seguinte, o parlamento alemão (Bundestag) reuniu-se simbolicamente no prédio.

Informações:
Horário de funcionamento: Aberto todos os dias das 8-23h
Entrada gratuita com audioguide
Fotos permitidas
Informações sujeitas a alterações

berlim-16
berlim-81

 

 

Siegessäule

 

Ainda com a parte de trás do Brandenburger Tor como ponto de partida, vá reto na avenida que facilmente será visível o Siegessäule que é o “obelisco da Vitória”. A caminhada é longa mas você pode avistar o parque Tiergarten ou pode andar dentro dele. A avenida Straβe des 17 Juni meio que corta o parque. Chegando na Siegessäule é impossível não lembrar do filme de Wim Wenders ou do videoclipe do U2 para este mesmo filme (música Stay - far away so close). Aliás, o video para esta música passeia por várias locações de Berlin! Estar lá é como voltar à adolescência! Como a música é mágica, ainda mais quando se tem imaginação!

É fantástico, bonito e a coluna é lindamente ornada. Para chegar até o pé do obelisco só é possível atravessando por baixo da avenida. É fácil avistar uma “casinha” que dá acesso ao corredor subterrâneo e o mais legal é que lá embaixo você pode encontrar um paredão que emite luzinhas conforme o movimento na frente dele. Aproveitei para filmar e fazer umas macaquices.

Quando você chega no pé do obelisco consegue ver que ele possui muitos detalhes bonitos. Infelizmente estava ficando escuro e a iluminação artificial da rua ainda era insuficiente e portanto, não fiz muitas fotos significativas de lá. E o mais triste é que chegamos tarde demais para subir até o topo, junto ao anjo... e ainda era umas 19h30!!!

Pra voltar até o Brandenburger Tor decidimos pegar um passeio de “bicicleteiro” até lá. Custou apenas €10 para 3 pessoas. O senhor que nos levou perguntou se queríamos ir pela avenida ou pelo parque, lógico que queríamos pelo parque! O negócio é uma bicicleta meio elétrica e o condutor vai numa velocidade incrível e desvia de pessoas e obstáculos com muita tranquilidade. Este senhor nos mostrou algumas esculturas do Tiergarten e explicava um pouquinho pra gente, mas ele mal falava inglês e nós não sabíamos nada em alemão. Mas no fim, acabamos nos entendendo.

Dica: o Tiergarten não é nada iluminado à noite, então, se você não estiver com bons equipamentos de fotografia, desencana para tentar tirar alguma foto de lá.

Informações:
Endereço: Großer Stern  10557
Horário de funcionamento: Abr a Out: Seg-Sex 9h30-18h30, Sáb-Dom 9h30-19h
Nov-Mar: Seg-Sex 10-17h, Sáb-Dom 10-17h30
Entrada: € 3,00 para adultos

 

berlim-19

Uma das passagens subterrâneas

berlim-17

Á noite fica fabulosa!

berlim-82

Chegando mais perto

berlim-18

É soberba

 

Berliner Dom

 

Fachada da Berliner Dom à noite

Fachada da Berliner Dom à noite

Andando pela avenida Unter den Linden que se estende em frente ao Brandenburger Tor, você percebe que é uma avenida bem importante de Berlin, porém notamos que as opções de restaurantes que ficam abertos até mais tarde são escassas!

E de repente você não está mais pisando na Unter den Linden e sim na Schloβplatz. Pelas minhas andanças no coração de Berlin, fiquei super aborrecida porque a cidade toda estava em reforma... mas de repente avistei a Berliner Dom que é a Catedral de Berlin e foi construída entre 1895 e 1905. Estando lá à noite, lógico, está fechada, ela possui uma atmosfera misteriosa, uma luz batendo nela a torna até meio sinistra, mas é linda.

Durante o dia você pode visitá-la mas... surpresa: tem que pagar!!!! Sim! Pagar para entrar em uma igreja! Que absurdo! Eu paguei e até que valeu o preço... ela é bonita por dentro. 

O que esperar da visita à cúpula? Hum... eu não recomendaria para ninguém não... não sei se é porque o dia estava nublado e a cidade abarrotada de guindastes que me fizeram chegar a conclusão de que não vale a pena... até porque a cúpula da igreja não permite ter uma visão boa da cidade e querendo ou não, uma vista aérea de Berlin não tem muita graça... não sei ainda...

É uma igreja bonita, mas eu tinha a impressão de que seria maior por dentro... ela é meio quadrada o que torna o tour dentro dela rápido.

Mas a coisa mais estranha que presenciei lá foi a cripta: os caixões de reis, padres e etc. estão todos expostos! É tétrico e desconfortante saber que há mortos no mesmo nível do solo que você... o ar é meio pesado lá, entrei e saí de uma forma tão rápida que espero deletar de minha memória. Eu realmente não gostei. E o pior estava por vir: quase ao lado da cripta há um café da igreja!!!! Um café com os mortos e o pior de tudo isso é que tem um fétido banheiro compondo o subsolo da igreja: cripta com mortos em caixões expostos + banheiro fétido + café. Isso realmente foi a coisa mais atormentante que vi na minha vida!

 

Informações:
Horário de funcionamento: Seg-Sab 09h-20h, Dom e feriados 12h-20h, 01 de Out a 31 de Mar fecha às 19h
Não há visitação durante cultos ou eventos.
Reserva para tours guiadas: +49 (0) 30 202 69 119
Entrada: € 7 adulto - Audioguide: € 3
Endereço: Am Lustgarten  10178
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações
Dentro da Berliner Dom

Dentro da Berliner Dom

O domo visto do chão

O domo visto do chão

berlim-51
berlim-52
berlim-53
berlim-54

 

Museumsinsel

 

berlim-24Na mesma ilha dos museus onde está a Berliner Dom encontram-se os museus mais importantes da Alemanha. Estão todos juntos e eles chamam esta ilha como “ilha dos museus” (Museumsinsel). Lá você é servido de: Ägyptisches Museum und Papyrussammlung, Altes Museum, Alte Nationalgalerie, Pergamonmuseum, Bode-Museum. O único que eu não conheci foi o Altes Museum.

Vale a pena comprar o MUSEUM PASSA BERLIN que te dá o direito de visitar todos os museus da listagem deles durante 3 dias consecutivos. Vale muito a pena comprar o passe! Ele começa a valer no dia que você o compra, então, não vá comprá-lo no fim do dia hein? Mas se preferir, compre ele AQUI.

E não é só porque você está com o Museum Pass Berlin que pode ir entrando nos museus sem mais nem menos! Sempre vá no guichê dos ingressos de cada museu e pegue a sua entrada já que esta será conferida antes de você entrar nas salas!

O Museumsinsel faz parte da lista de Patrimônio Mundial pela UNESCO.

 

Ägyptisches Museum und Papyrussammlung

 

Estátua de oração do rei Amenemhet III, datado da 12ª dinastia

Estátua de oração do rei Amenemhet III, datado da 12ª dinastia

Ägyptisches Museum und Papyrussammlung possui um acervo egípcio muito importante e se originou no século 18 a partir da coleção de arte real dos reis da Prússia. Alexander von Humboldt solicitou a criação de uma seção egípcia e os primeiros objetos foram levados a Berlin em 1828 por Friedrich Wilhelm III. Após a 2ª Guerra Mundial o prédio foi fortemente danificado e o museu foi dividido entre Berlin Leste e Berlin Ocidental, sendo reunido novamente após a reunificação da Alemanha.

O acervo do museu contém artefatos que datam de 4.000 a.C. até o período de dominação romana, embora a maioria das peças datarem do Estado de Akhenaton (em torno de 1.340 d.C.).

Tudo é muito vistoso e a expografia é ótima. Mas certamente a peça mais famosa em exposição é o excepcionalmente bem preservado e vividamente colorido busto da rainha Nefertiti. É tão famosa que de toda coleção do museu, só do busto é proibido tirar fotos.

O busto fica em uma sala muito harmônica em se tratando de cores e tamanho e possui vários seguranças em volta do busto. Nem pense em tirar foto do corredor aplicando um super zoom porque nas salas que dão acesso ao busto também ficam os seguranças de prontidão. É como estar perto de uma celebridade que não quer ser fotografada por paparazzi. Mas entendo que, se liberassem o uso de máquinas fotográficas, algumas pessoas usariam o flash, o que danificaria a peça. 

Apesar de estar um pouco detonada pela ação do tempo, a escultura é tão perfeita que me fez pensar em se tratar do primeiro photoshop da história. O rosto dela é muito simétrico e o pescoço é comprido e elegante... bem... vai saber como ela era mesmo?

Informações:
Horário de funcionamento: Todos os dias das 10-18h
Entrada avulsa: € 12 adulto - audioguide gratuito em inglês
Endereço: Bodestraße 1-3, 10178
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

Peças de até 4000 AC!!!

Peças de até 4000 AC!!!

Máscaras mortuárias

Máscaras mortuárias

Sarcófagos

Sarcófagos

Uma das salas expositivas

Uma das salas expositivas

 

Pergamonmuseum

 

Altar de Pérgamo: coisa que a Turquia tinha

Altar de Pérgamo: coisa que a Turquia tinha

Pergamonmuseum foi desenhado por Alfred Messel e Ludwig Hoffmen que se inspiraram no Altar de Pérgamo da Turquia para a concepção do mesmo. A sua construção demorou cerca de 20 anos, tendo tido ínício em 1910 e fim em 1930. Ele é dividido em 3 partes:

Primeira: coleção de arte da antiguidade clássica, onde se destaca o fabuloso Altar de Pérgamo e as Portas do Mercado de Mileto bem como excelentes exemplares de escultura grega e romana;

Segunda: Museu do Antigo Oriente Próximo, que, além da grandiosa Porta de Ishtar, contém uma extensa coleção de arte islâmica, com diversos objetos provenientes da Antiga Babilónia e da Antiga Suméria;

Terceira: Museu de Arte Islâmica, com destaque para a Fachada de Mshatta, um palácio do século VIII descoberto na atual Jordânia, bem como excelentes exemplares de artes decorativas islâmicas.

Vou confessar que gostei muito de prestigiar patrimônios arquitetônicos e artísticos dos lugares que mais admiro do mundo. Mas me deu uma revolta tremenda em ver, principalmente o Altar de Pérgamo, um patrimônio universal destruído e muito mal acomodado dentro de um museu. Eles tentaram na maior boa vontade reproduzir o altar e colocaram todas as peças saqueadas de Pérgamo, porém para retirar tais peças, tiveram que cortá-las em pedaços de forma que doeu e muito a minha alma! Como deixaram fazer isso? Em contrapartida, fico feliz em saber que boa parte está preservada de conflitos e guerras civis de países como Iraque e etc, sem falar dos exemplares de arte assíria que se encontram lá... poderiam não mais existir em nenhum lugar!

berlim-31Apesar de saber que boa parte está preservada neste museu, vale lembrar que durante a 2ª Guerra Mundial, o Pergamonmuseum foi bombardeado e mesmo com os esforços para proteger o grande altar, toda a escadaria foi destruída!!!! As Portas do Mercado de Mileto também sofreram avarias irreversíveis na guerra, ou seja, outro patrimônio detonado em bombas da ignorância humana!

A segunda foto abaixo (da esquerda para a direita) é a reconstrução da Porta de Ishtar. Há ainda a via processional dentro do museu. Na 2ª Guerra Mundial, apesar de estar protegido dos bombardeios, o telhado do museu ficou todo quebrado e com a chuva o monumento foi avariado.

Para a remontagem da porta foram utilizados materiais escavados por Robert Koldewey, e finalizada em 1930 e inclui também a placa de inscrição. Possui uma altura de 14m e extensão de 30m. A escavação ocorreu entre 1902-1914 e durante esse tempo foram descobertos 15 metros até a fundação do portal.

O portão que vemos aqui é apenas um de pelo menos 8 portões duplos que davam acesso à cidade da Babilônia...  A parte da "Via das Procissões" que também está no museu partia do Portão de Ishtar em direção norte. Sua largura original era em torno de 20-24m, e no museu temos 8 metros. Por esta via era comemorado o Ano Novo (na primavera) com um grande festival onde o rei era reconduzido pelo corredor da "Via das Procissões" e pelo Portão de Ishtar, sempre acompanhado pela multidão e muita música.

 
Partes do portão e os leões da via procissional se encontram espalhados por diversos museus ao redor do mundo como: Museu Arqueológico de Istambul, o Instituto de Arte de Detroit, o Museu do Louvre, o Museu de Arqueologia e Antropologia da Universidade da Pennsylvania, o Metropolitan Museum of Art em Nova York, o Instituto Oriental em Chicago, o Rhode Island School of Design Museum, o Museu Röhsska em Gothenburg,  e o Museu de Belas Artes em Boston. Bom, dos 9 já fui em 3 😉
Portas do Mercado de Mileto (Turquia)

Portas do Mercado de Mileto (Turquia)

Detalhe das esculturas

Detalhe das esculturas

A segunda foto abaixo é a fachada do palácio Mshatta (construído de 743-4). O castelo nunca foi concluído. Foi escavado a aproximadamente a 30 km do sul da atual capital jordaniana, Aman. Faz parte de uma residência de inverno e salões de armazenamento da época dos omíadas. O edifício do palácio provavelmente data da era do califa Al-Walid II (743-744). Depois que al-Walid foi assassinado, permaneceu abandonado e posteriormente foi arruinado em um terremoto.
 
Possui uma decoração linda e bem detalhada com rosetas em cada ponta de um zig-zag. Este tipo de decoração é típica da decoração dos primeiros palácios islâmicos.

Lógico que a fachada também foi seriamente danificada durante o bombardeio de Berlim na 2ª Guerra Mundial o que nos leva a crer que, se estivesse no seu lugar original estaria melhor do que se vê hoje. Foi reconstruída com uns 33 metros de comprimento e 5 metros de altura, com duas torres, demonstrando os primórdios da arte muçulmana.

Informações:
Horário de funcionamento: Todos os dias das 10-18h
Entrada avulsa:  12 adulto com audioguide em inglês
Endereço: Bodestraße 1-3, 10178
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

 
Portões assírios

Portões assírios

Porta de Ishtar, 8o portão da Babilônia (Iraque)

Porta de Ishtar, 8o portão da Babilônia (Iraque)

Mosaico no chão

Mosaico no chão

Fachada da Mshatta (Jordânia)

Fachada da Mshatta (Jordânia)

 

Alte Nationalgalerie

 

"No conservatório" de Edouard Manet

"No conservatório" de Edouard Manet

Alte Nationalgalerie significa "Antiga Galeria Nacional". Ela possui uma rica coleção de pinturas e esculturas europeias do século XIX. Foi criada em 1861 como “Wagenersche und Nationalgalerie” (Galeria Nacional Wagener) através da doação de um acervo de 262 obras de arte do banqueiro Joachim H. W. Wagener, porém o prédio foi construído entre 1866 e 1876.

Durante a 2ª Guerra Mundial o edifício foi muito danificado e parte de seu acervo se perdeu (um absurdo, mas vale lembrar que o acervo inteiro fora confiscado pelo regime nazista e por sorte algumas peças como esta do Manet ao lado foram resgatadas). Restaurado logo depois do término da guerra, foi reaberto parcialmente em 1949, e em 1955 estava de novo funcionando plenamente, mas já expondo também peças de arte contemporânea. Com a divisão da Alemanha, a coleção também ficou dividida.

"Crianças à tarde em Wargemont" de Auguste Renoir

"Crianças à tarde em Wargemont" de Auguste Renoir

A maioria das peças principais permaneceu no lado oriental, sendo que a seção do século XIX foi exposta na Orangerie e depois na Galeria do Romantismo do Schloss Charlottenburg, só voltando à sua sede original no início da década de 1990.

Depois da reunificação da Alemanha as obras modernas foram transferidas para a Neue Nationalgalerie na Kulturforum Potsdamer Platz, as peças contemporâneas encontraram uma sede nova no Hamburger Bahnhof – Museum für Gegenwart – Berlin, uma seção de arte do início do século XX - a Coleção Heinz Berggruen - foi enviada para o Museu Berggruen em Charlottenburg, e parte da seção de escultura foi acomodada na Igreja Friedrichswerdersche.

Para amantes do impressionismo como eu, não deixe de ver ManetMonet e Renoir. Impressionismo é a escola artística que eu mais amo no mundo! E o melhor de tudo deste museu é que fotos são permitidas! Não são muitos quadros, mas o valor histórico é absurdo! São obras bem famosas, impossíveis de serem ignoradas.

Informações:
Horário de funcionamento: 
Ter a Dom a partir das 10h-18h, Quintas aberto até 20h.
Não abre nas Segundas.
Entrada avulsa: € 8 adulto - com audioguide
Endereço: Bodestraße 1-3, 10178
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

Arte alemã

Arte alemã

Pausa para um chá de limão com mel

Pausa para um chá de limão com mel

 

Bode-Museum

 

Arte sacra alemã por volta do século 15

Arte sacra alemã por volta do século 15

Bode-Museum tem este nome esquisito (para os brasileiros) em homenagem ao primeiro curador, Wilhelm von Bode, em 1956. Possui uma coleção de esculturas, arte bizantina, moedas e medalhas. A coleção de esculturas mostra a arte da Cristandade Oriental (com ênfase na Igreja Ortodoxa Copta, no Egito), esculturas do Império Bizantino e Ravenna, Idade Média, do Gótico italiano e do começo do Renascimento. Na minha opinião, a parte da arte bizantina é a que mais me chamou a atenção... pena que é um acervo pequeno.

Há ainda obras alemãs do final do período gótico, Renascença do sul da Alemanha e barroco prussiano até o século XVIII.

Abriga uma das maiores coleções de numismática do mundo, de moedas que remetem ao começo da Casa da Moeda, na Anatólia do século VII AC até moedas atuais. São mais de 750 mil itens.

O pátio central do museu é muito bonito e tivemos sorte do museu estar vazio. Há uma cafeteria muito bem posicionada onde você pode tomar um café com o magnífico pátio à vista. Gostei do museu, mas particularmente, arte sacra me cansa um pouco!

O prédio fica na ponta da Museumsinsel e geralmente você vai ver fotos incríveis da fachada. Eu não consegui fazer uma foto decente dele porque o dia estava chuvoso e frio.

Note: o mosaico tirado de uma igreja bizantina em Ravena, Itália, mostra uma representação de Cristo sem barba!

Informações:
Horário de funcionamento: Ter a Dom aberto a partir das 10h-18h, porém às Quintas fica aberto até 20h
Fechado nas segundas.
Entrada avulsa: €10 adulto com audioguide em inglês
Endereço: Am Kupfergraben, 10117
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

Suntuoso saguão de entrada

Suntuoso saguão de entrada

Arte bizantina

Arte bizantina

Arte sacra alemã por volta do século 15

Arte sacra alemã por volta do século 15

mais arte sacra alemã, peças em madeira

mais arte sacra alemã, peças em madeira

 

Neue Synagoge

 

Visão dos fundos da linda cúpula da sinagoga

Visão dos fundos da linda cúpula da sinagoga

Bem perto do Bode-Museum você chega na Neue Synagoge na Oranienburger Straße. Ela é chamada de "A Nova Sinagoga" e foi construída entre 1859 e 1866 como a principal sinagoga da comunidade judaica de Berlin.

Construída em estilo neomourisco com influência da Alhambra é um importante monumento da arquitetura da segunda metade do século XIX em Berlin.

A construção original foi desenhada por Eduard Knoblauch, tendo sido substituído por razões de saúde por Friedrich August Stüler, que tomou a responsabilidade pela maior parte da construção assim como pelo seu interior.

A sinagoga foi inaugurada na presença do Chanceler Conde Otto von Bismarck em 1866. O prédio atual é uma reconstrução da original, que havia sido bastante danificada durante a 2ª Guerra Mundial e posteriormente, demolida. 

Antes de entrar, notamos a presença de policiais na fachada do prédio e ao entrar você é rigorosamente revistado e tudo o que você segura passa por um detector de metais. Se estiver de casaco, tire-o para facilitar a revista.

Visitamos o pequeno museu que mostra fragmentos da construção original e artigos da decoração interior que foram recuperados das ruínas. Diversos documentos mostram também como era a vida dos judeus nesta época em Berlin.

Lá você encontra fragmentos da "lâmpada eterna" original da sinagoga, chamada de Ner Tamid. Ela foi reencontrada em 1989 no telhado protetor de concreto quando operários retiravam os escombros da câmara do casamento (o vestíbulo dos homens).

Informações:
Horário de funcionamento: Dom a Sex a partir das 10h
Confira as diferenças de horários de fechamento durante o ano que podem varias das 14h ou 18h
Audioguide: € 3
Endereço: Oranienburger Straße 28-30, 13437 Berlin
Fotos do museu não permitidas
Informações sujeitas a alterações

 

Ramones Berlin Museum

 

É fácil identificar o brasão do Ramones estilizado

É fácil identificar o brasão do Ramones estilizado

Não muito distante da Museumsinsel você chega a pé na parte do bairro Mitte mais descolada e "marginal", com paredes pichadas, prédios sujos e mal conservados e museus incomuns.

Um dos lugares que conhecemos foi o Ramones Museum que é um lugar onde um apaixonado pelo grupo de punk rock montou para mostrar a todos o que tinha da banda: ingressos de shows, noticias, fotos e reproduções de fotos e até uma calça do Joey Ramone. Bem... se é de verdade eu não sei, achei pequena demais para ser sincera... e na minha cabeça o cara era alto, não poderia caber naquela calça!

O lugar é minúsculo, cheio de coisas nas paredes e uma salinha pequenina com sofá e TV e um vídeo de algum documentário passando.

berlim-50O museu está acoplado a um café/bar mas não experimentei nada para avaliar aqui, e obviamente há uma lojinha com souvenirs do local e da banda Ramones.

Particularmente, achei tudo muito, mas muito caro. Nada barato que um punk de verdade consiga comprar. 

As camisetas, além de não possuírem vantagens competitivas na minha decisão de compra, eram caras a ponto de eu ter deletado o valor de minha mente. Mas algo me chamou a atenção e foi uma sacola preta com o brasão do Ramones estilizado em formato "Ramones Berlin Museum". Bem... apesar do desembolso de €10 numa sacolinha de tecido fraco, foi algo que realmente me animou para comprar.

A entrada para o museu foi €10, se não me engane, e o 'ticket' de entrada é um pequeno 'bottom' estilizado do lugar. É bem bonitinho, mas a visita no local vale mais a pena para quem gosta da banda e para quem realmente quer ver algo que pouquíssimos turistas vão em Berlin. Porém, o caminho a pé até este canto do Mitte é uma ótima caminhada, com toda aquela marginalidade de Berlin que habitava a minha mente no mais profundo imaginário do que era a Berlin para mim, com pichações e cenários punks.

Informações:
Horário de funcionamento: Todos os dias Dom-Qui 12-20h e Sex-Sab 0h-22h
Endereço: Oberbaumstr. 5, 10997 (este é o novo endereço. As fotos aqui registradas foram tiradas no antigo endereço da Krausnickstraße 23  10115)

 

Anne Frank Museum

 

A entrada da viela onde está o museu.

A entrada da viela onde está o museu.

Outro museu incomum é o Anne Frank Zentrum. Incomum pelo jeitão dele e não pelo o que ele apresenta.

Não se assuste com o lugar onde o museu está... é sim um lugar bem marginal, um tipo de viela com várias outras expressões gráficas. É extremamente fácil ignorar a entrada e passar reto por lá. Com um pouco mais de atenção você encontra o lugar e conforta ver o rostinho de Anne indicando o local do museu.

À esquerda: a vida. À direita: acontecimentos

À esquerda: a vida. À direita: acontecimentos

Entrando no museu percebemos que é outro museu bem pequeno, com várias informações escritas. Mas a forma que eles selecionaram as informações e fotografias em ordem cronológica mostrando a vida dela (e de seus parentes e colegas do "anexo") desde que nasceu em contraste com o que estava acontecendo na Alemanha foi uma sacada genial! Realmente uma sacada legal e eu simplesmente adorei!

Obviamente o museu é uma amostra de pessoas apaixonadas pela história e vida desta menina extraordinária que estava à frente de seu tempo.

A recepcionista do museu nos informou sobre um documentário curta metragem em inglês e assistimos. São uns 30 minutos e vale muito, mas muito a pena assistir! É emocionante e fiquei imaginando no que todas aquelas pessoas passaram e tem até uma pequena entrevista com o pai dela, o único sobrevivente... ai.... segura ao choro! Quase não aguentei!

A foto ao lado mostra a viela do museu que fica bem escondido no Mitte (foto feita do outro lado da rua Rosenthaler).

Informações:
Horário de Funcionamento: Ter a Dom às 10-18h
Ingresso: € 5 Adultos
Endereço: Rosenthaler Straße 39  10178 Berlin, Alemanha
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

 

Jüdisches Museum Berlin

 

berlim-59Dos locais um pouquinho distante da rota da Unter den Linden escrita até agora nesta página, você pode fazer uma visita ao fantástico Jüdisches Museum Berlin que é o Museu Judaico. Começa com a arquitetura do prédio totalmente diferente em formato zig-zag e outro atrativo é que ele é um museu interativo o que faz com que todos participem no conhecimento! Uma dica: comece pelo terceiro andar e vá descendo. Infelizmente não conseguimos visitar o segundo andar e tínhamos começado pelo andar térreo, for falta de tempo.

Este museu cobre a história dos judeus alemães ao longo de 2 milênios e foi fundado em 1933 na Oranienburger Straße e teve suas atividades encerradas em 1938 pelo regime nazista. O americano Daniel Libeskind desenhou um novo edifício para o novo museu que abriu as suas portas em 2001 no endereço atual. O museu possui 15.000m² e para entrar nele você deve se dirigir ao edifício em estilo barroco que fica ao lado e atravessar uma passagem subterrânea para entrar no prédio zig-zag.

No andar térreo, há uma porta que te leva à sala “Leere (Voids)” que significa “vazio”. É uma sala fria (o dia estava frio) com apenas um filete de luz na parte superior... não precisa de explicações para entender o significado da sala, você sente o propósito.  Tem uma outra porta que te leva numa parte externa que é a “Verwirrender Ausweg – der Garten des Exils” ou “Jardim do Exílio” que é um lugar bem interessante onde você é convidado a andar entre os 49 pilares de concreto em um terreno inclinado e no fim, acaba sentindo uma certa vertigem, você não consegue sentar em um tipo de pára-peito inclinado e começa a andar com dificuldades... o local quis passar o desconforto daqueles que sobreviveram antes do estouro da 2ª Guerra Mundial e o extermínio dos judeus.

Estando no terceiro andar conhecemos muitos costumes que até então não sabíamos o significado e foi ótimo aprender, como por exemplo, por que quebra-se um copo de vidro nos casamentos judeus?! Há uma exposição sobre os assentamentos judaicos medievais ao longo do Reno e vários outros temas. E a esta altura fomos abordadas pelos simpáticos guias do museu falando em português! Sim! Alemães falando um ótimo português! Foi um bate papo amistoso, mas... acabamos perdendo o restante do museu... o tempo havia acabado! Vale lembrar que no terceiro andar há uma árvore para escrever e depositar desejos.

Dentre várias coisas deste lugar, o que guardo na memória é a forma inteligente que fizeram a exposição no piso térreo, de histórias de judeus que não sobreviveram às atrocidades do regime nazista. Estas histórias estão registradas em forma de fotos da pessoa destacada e um texto explicativo, tudo dentro de um tipo de caixa de vidro dentro da parede. Há um tipo de esfumação no vidro em forma de círculo que não te permite ler ou olhar sem que você deixe o rosto no centro do círculo. E se você olhar para os lados, vai perceber que todo mundo está de cabeças baixas em frente à parede... simplesmente, fantástica a ideia!

Informações:

Horário de Funcionamento: Seg das 10-22h, Ter a Sab das 10-20h
Entrada: € 7 adultos - Audioguide: € 3 adultos
Endereço: Lindenstraße 9-14, 10969 Berlin
Fotos permitidas sem flash
Informações sujeitas a alterações

berlim-61
berlim-62
berlim-63
berlim-64

 

Berliner Mauer

 

Indicações do muro

Indicações do muro

E fomos ao Muro, em alemão, Berliner Mauer. É básico ir lá? Sim, básico. Mas é algo da história! O mundo mudou depois disso!

Ele era uma barreira física construído na Guerra Fria e circundava toda a Berlin Ocidental, separando-a da Alemanha Oriental, incluindo Berlin Oriental. Este muro, além de dividir a cidade de Berlin ao meio, simbolizava a divisão do mundo em dois blocos ou partes: República Federal da Alemanha (RFA), que era constituído pelos países capitalistas encabeçados pelos Estados Unidos; e República Democrática Alemã (RDA), constituído pelos países socialistas simpatizantes do regime totalitário soviético. Construído na madrugada de 13 de Agosto de 1961, dele faziam parte 66,5 km de gradeamento metálico, 302 torres de observação, 127 redes metálicas electrificadas com alarme e 255 pistas de corrida para ferozes cães de guarda. Este muro era patrulhado por militares da Alemanha Oriental com ordens de atirar para matar (a célebre Schießbefehl ou "Ordem 101") os que tentassem escapar, o que provocou a morte a 80 pessoas identificadas, 112 ficaram feridas e milhares aprisionadas nas diversas tentativas.

Durante uma onda revolucionária que varreu o Bloco de Leste, o governo da Alemanha Oriental anunciou em 9 de novembro de 1989, após várias semanas de distúrbios civis, que todos os cidadãos da RDA poderiam visitar a Alemanha Ocidental e Berlin Ocidental. Multidões de alemães orientais subiram e atravessaram o Muro, juntando-se aos alemães ocidentais do outro lado, em uma atmosfera de celebração. Ao longo das semanas seguintes, partes do Muro foram destruídas por um público eufórico e por caçadores de souvenirs. Mais tarde, equipamentos industriais foram usados para remover quase toda estrutura. A queda do Muro de Berlin, abriu o caminho para a reunificação alemã, que foi formalmente celebrada em 3 de outubro de 1990. Muitos apontam este momento também como o fim da Guerra Fria. O governo de Berlin incentiva a visita do muro derrubado, tendo preparado a reconstrução de trechos do muro. Além da reconstrução de alguns trechos, está marcado no chão o percurso que o muro fazia quando estava erguido.

O que temos hoje como memorial ao ar livre (fotos), está dividido em 4 trechos (ABCD) e pelo alfabeto você pode começar a sua visita perto da estação de trem Nordbahnhof

Seguindo pela Bernauer Straße, você acompanha os totens que contam várias histórias do que estava acontecendo politicamente e como afetou as pessoas. Há como reservar uma visita guiada, porém, em alemão. O preço é € 3 todos os dias às 15h e você pode reservar no site do memorial (indicado neste site). 

Você também pode aproveitar e visitar a Exposição da Estação Fantasma (Ausstellung Geisterbahnhöfe) que ocorre na Nordbahnhof durante sua operação. Vai lá e se informa. Pelo visto é gratuito. Não fomos porque eu não sabia... tínhamos descido pela célebre estação de metrô Bernauer Straße, aquela em que o muro ficou bem na frente da escadaria!

Informações:
Endereço: Bernauer Straße 119, 13355
Gratuito

Skulptur "Reconciliation"

Skulptur "Reconciliation"

Totens eletrônicos e painéis com informações escritas, mapa e fotos

Totens eletrônicos e painéis com informações escritas, mapa e fotos

Vista para o Berliner Mauer

Vista para o Berliner Mauer

Reconstrução do muro e de como se via "o outro lado"

Reconstrução do muro e de como se via "o outro lado"

Muro reconstruído para o memorial

Muro reconstruído para o memorial

Algumas pessoas que perderam a vida ao tentarem passar a barreira

Algumas pessoas que perderam a vida ao tentarem passar a barreira

 

Checkpoint Charlie

 

Consegue ver a cabine da fronteira atrás do carro vermelho?

Consegue ver a cabine da fronteira atrás do carro vermelho?

O termo "Checkpoint Charlie" foi utilizado pelos Aliados para nomear  um posto militar entre a Alemanha Ocidental e a Alemanha Oriental durante a Guerra Fria e desde então, o local ainda é chamado assim. Havia dois outros postos militares localizados na direção ocidental da auto-estrada (Autobahn) onde se localizava o Checkpoint Charlie: o Checkpoint Alpha, em Helmstedt, e o Checkpoint Bravo em Dreilinden, no sudoeste de Wannsee, cada nome indicando uma letra do alfabeto (Alpha a letra A, Bravo a letra B e Charlie a letra C) de acordo com o alfabeto fonético da OTAN.

Checkpoint Charlie foi projetado como um simples posto militar para passagem de estrangeiros e membros das Forças Aliadas da Alemanha Ocidental para a Alemanha Oriental. Os membros das forças Aliadas não tinham permissão para utilizar outra passagem designada para estrangeiros, como a estação de trem Friedrichstraße

Checkpoint Charlie como memorial fica entre 2 bares famosos e se tornou um símbolo da Guerra Fria, representando a separação do leste e oeste, e, para alguns alemães orientais, uma estrada para a liberdade.

É frequentemente exibida em filmes de espiões e livros, como os escritos por John le Carré. O famoso café e ponto de observação dos oficiais aliados, forças armadas e outros visitantes, é o Cafe Adler ("Cafe Águia") e está situado exatamente no Checkpoint. Era um excelente ponto de observação da Berlin Oriental, enquanto se degustava algo para beber ou comer.

Checkpoint era curiosamente assimétrico. Durante seus 27 anos de atividade, a infraestrutura do lado oriental foi expandida, não apenas para incluir o muro, torre de observação e barreiras em zig-zag, mas também varias ruas onde carros e seus ocupantes eram revistados. Entretanto, as autoridades americanas, talvez por não imaginarem que aquela divisão fosse algo mais do que algo temporário, nunca construiu prédios permanentes, erguendo apenas cabines de madeira, os quais foram substituídos em 1980 por estruturas de metais. Após a reunificação, uma reprodução dessas cabines de madeira foi recolocada no local onde ficava a cabine original. Eu até tirei uma foto, mas ela ficou muito ruim... está longe e um carro passou na frente, cobrindo boa parte da cabine.

E já que estávamos vendo a cabine, aproveitamos para visitar o "Museum Haus am Checkpoint Charlie" que foi criado para documentar o "melhor sistema de segurança nas fronteiras do mundo" (nas palavras do alemão do leste, Heinz Hoffmann).

Em exibição estão as fotos e documentos relacionados às bem-sucedidas tentativas de fuga da Alemanha Oriental, juntamente com o aparelho de escape: balões de ar quente, carros de fuga, teleféricos e um mini-U-BoatApesar de achar interessante, achei caro pelo o que oferece. É como entrar em uma revista gigante... você lê e lê e lê muitas e muitas e muitas informações da época, sobre as escapadas e sobre alguns casos com penalidades. Dá para aprender muito, lógico, a visita não é em vão! Mas é meio cansativo!

Bem, mas como eu disse, dá para aprender mais sobre esta outra página negra da Alemanha. Uma coisa que eu não sabia, por exemplo, é que para quem tinha filhos e tentava fugir de um lado para o outro e não conseguia sucesso na empreitada, tinha os filhos 'roubados' e estes eram adotados! Acredita nisso? O pior de tentar acreditar nisso é saber que é uma história muito recente!

Realmente, sem palavras em relação à condição de animalidade na vida dos dirigentes desta nação daquela época!

Informações:
Horário de Funcionamento: Todos os dias do ano das 9-22h
Entrada: € 12,50 Adulto - Audioguide € 3,50
Permissão para fotos: € 1.
Endereço: Friedrichstraße 43-45  10117
Há armários e roupeiros para você guardar o que carrega e será cobrado € 2 e este valor será devolvido quando você retornar para buscar seus pertences.
Informações sujeitas a alterações

berlim-74
berlim-73

 

E não poderia deixar de falar sobre a comida!

 

Salsichona!

Salsichona!

Na primeira noite em Berlin, ainda tentando nos localizar e entender a dinâmica da cidade, precisávamos abastecer os estômagos. Então andamos meio que sem rumo na Unter den Linden e procuramos algo não americano para comer. Não havia quase nada aberto e a fome estava cada vez mais me torturando.

Entramos em um tipo de viela de restaurantes que mais parecia uma praça de alimentação de rua e, dentre os restaurantes, escolhemos o Food Lounge Berlin (Endereço: Sankt-Wolfgang-Strasse 4 | 10178). O que mais nos atraiu foi o preço de um prato imperdível em Berlin: a salsichona! A foto ao lado mostra a salsicha que comemos com tempero de curry. É barata e de todas que comi na Europa Central, gostei mais desta.

Interior do Emma's

Interior do Emma's

Com certeza Berlin tem muito a oferecer em gastronomia, mas confesso que não me dediquei em achar bons lugares para as minhas refeições. Logo abaixo e no mapa da cidade, trago dicas boas para você aproveitar!

 

O restaurante Emmas (Endereço: Heiligegeistkirchplatz 1, 10178) é bem moderninho, com decoração que eu adoro. Estava no fim da viagem e confesso que meu corpo estava necessitando algo diferente do que eu estava consumindo há quase 20 dias... Precisava de arroz, peixe... please! E este restaurante com menu simples atendeu as minhas necessidades: Arroz com ervilhas (Reis mit erbsen) €3,60, filé de salmão (lachsfilet) com senfrahmsauce (?? nem sei o que era isso hahahaha) €12,40, Hefe-Weißbier Hell (cerveja) €4,90, Suco de Fruit berry €2,60 e sobremesa de Apfelstrudel que estava muito sem graça por €4,60.

Segue outras sugestões de restaurantes, mas que eu não posso avaliá-los porque eu não os conheci: Café Am Ufer (Endereço: Paul-Lincke-Ufer 42  10999), Hackenscher Hof (Endereço: Rosenthaler Straße 40  10178); MERHABA (Endereço: Wissmannstraße 32); Sankt Oberholz (Endereço: Rosenthaler Straße 72a  10119); Schneeweiss (Endereço: Simplonstraße 16); Spindler & Klatt (Endereço: Köpenicker Straße 16-17, 10997); Café Adler (Endereço: Friedrichstraße 206); Grossbeerenkeller (Endereço: Großbeerenstraße 90); Café am Neuen See (Endereço: Lichtensteinallee 2, 10787); Café Einstein (Endereço: Kurfürstenstraße 58) e Anna Blume (Endereço: Kollwitzstraße 83, 10435).

 

Curiosidades

 

O aeroporto Tegel está com os dias contados. Já era para ter fechado desde Setembro de 2012, porém, como as obras do seu substituto, o Berlin-Schönefeld ainda estão em andamento, a previsão era de que fechasse em Outubro de 2013. Posso dizer que fiquei espantada em saber que o Tegel era o aeroporto internacional de Berlin. Para mim, mais parecia um pequeno aeroporto de uma cidade pequena do Brasil. Até a Rodoviária do Tietê em São Paulo é melhor e maior que o Tegel.

berlim-77

 

Ficou apertado e não sabe para onde correr (no caso de estar tudo fechado à noite)? Andando pela avenida Unter den Linden percebemos um "city toilette".  Não usei, mas certamente usaria se precisasse! E você?

berlim-78

 

Se perdeu? Então olhe para o horizonte porque ela estará lá! Esta torre de televisão gigante é a Fernsehturm e virou o nosso farol com seus 368 metros. Acho que dá para subir lá no topo, mas não fomos.

berlim-79

 

Passarinhos à vontade! Sim! Amplie a foto que verá um pardal dentro de um café com portas fechadas! Eles são tão ousados que voam para dentro junto com os clientes e ficam lá até serem expulsos! Eu os achei muito acostumados com as pessoas! Fantástico!

 

 

 


 

 

Se você quiser, já pode adquirir o seu BERLIM MUSEUM PASS. Clique AQUI.

Cada Passe Berlim inclui o seguinte:
• Berlim Museu Pass - entrada gratuita para mais de 45 museus, galerias de arte e edifícios históricos, incluindo os museus populares na Ilha dos Museus.
• pontos turísticos do Passe Berlim - Entrada gratuita para um adicional de 10 atrações, incluindo o Berliner Dom e uma excursão no ônibus hop-on-hop-off.
• Travelcard – viajem gratuita no transporte público em Berlim cobrindo zonas ABC
• Guia de Berlim - Livre 95 + página guia disponível em Inglês, Alemão e Italiano
Juntos, estes fazem a ferramenta de passeios mais útil que você vai encontrar em Berlim.
 
Se você quiser fazer aquele passeio turístico de ônibus, o famoso Hop-on Hop-off, compre AQUI.
 
 

Mais lugares para conhecer

Berlin tem muita coisa a oferecer do que só o que está descrito nesta página:

  • Zoologischer Garten Berlin AG
  • Neue Wache
  • Deutsche Film - Und Fernsehakademie Berlin
  • Charlottenburg Palace
  • Altes Museum
  • Neue Nationalgalerie
  • Museum für Naturkunde
  • Madame Tussauds Berlin
  • East Side Gallery
  • Bebelplatz: Aqui ocorreu a insana queima de livros pelo partido nazista.
  • Botanischer Garten Berlin
  • Großer Tiergarten: Literalmente o "jardim de animais", é um bairro na parte ocidental da cidade que possui este grande parque que funcionava como um lugar de caça para os reis da Prússia, o Tiergarten, que deu o nome ao bairro. No bairro encontram-se vários monumentos arquitetônicos, como Siegessäule, Kongresshalle e o Palácio de Bellevue.
  • Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche
  • Deutscher Dom
  • Molecule Man Sculpture: monumento moderno
  • Para ter a melhor vista do skyline de Berlin, a dica é ir ao Panoramapunkt. Entrada paga.

 

 

DICA: Em Berlin conheça a "ALTERNATIVE BERLIM TOUR" que oferece passeio guiado pela cidade de forma gratuita. Para participar desse passeio você só precisa chegar no Starbucks da estação central às 11h ou às 13h. Os guias te levam por um passeio para conhecer graffitis e outras expressões artísticas pela cidade, como as squats (casas ocupadas) e os beach bars. Pra se ter uma ideia, tem uma parada na loja de absinto e "poções mágicas" em Kreuzberg e parada da cerveja no prédio Tacheles (antes ocupado por artistas e que hoje abriga bares e galerias de arte). Como disse, é gratuito, mas é legal dar uma gorjeta e/ou contribuição. Creio que €10 é bom

 

 


 

 

Clique na imagem abaixo para abrir o mapa dos locais indicados neste site:

 

mapa berlim

 

Hospedagem

 

Come Inn Berlin Kurfürstendamm Opera (3* - Endereço: Kurfürstendamm 180 10707) é um hotel com boa localização e fácil acesso a partir do aeroporto (Tegel Airport) de taxi. Um pouco distante do grande centro turístico, porém, utilizando o metrô (estação Adenauerplatz) você facilmente chega a qualquer lugar. O quarto é espaçoso e isso faz uma grande diferença quando está viajando em 3 pessoas. Camas boas (uma de casal e uma de solteiro) e grandes janelas de ponta a ponta pelo quarto inteiro.

Não muito diferente, o Hotel CityB Novum Berlin City Centre (3* - Endereço: Potsdamer Straße 129 10783) faz parte da mesma rede do Come Inn com a vantagem de ser praticamente na boca do metrô (estação Bülowstraβe). Porém, este último me surpreendeu e muito! Possui bons armários, janelas de ponta a ponta, camas boas, e uma mini cozinha dentro de outro armário o que é muito bom para quem quer preparar uma pequena refeição por si só. Para voltarmos ao aeroporto utilizamos novamente o taxi.

Você pode optar pelo hostel One 80º que fica no alternativo bairro do Mitte. Possui quarto privado mas prepare-se com as baladas que podem acontecer lá dentro (tem bar, boate, lounge e restaurante). Outro hostel é o Circus Hostel, bem localizado.

Selecionei algumas outras sugestões que você pode encontrar no mapa mais abaixo!

ATENÇÃO: Algumas informações descritas no site podem mudar, como por exemplo, preços, horários de funcionamento e até mesmo endereços. Consulte sempre antes de ir! Não possuímos vínculos com as empresas, serviços e profissionais mencionados neste site 😉

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por