EnglishPortugueseSpanish
ISTANBUL II
Postado por Estela T em junho 10, 2012 Editado em junho 4, 2017

Nesta página você encontrará dicas do que conhecer no lado Asiático de Beyoğlu, Beşiktaş, o lado "Europeu" de Edirnekapı bem como o passeio de barco pelo Bósforo. O lado "Europeu" contendo Eminönü e Fatih você encontra na página ISTANBUL I.

Para ajudar no entendimento geográfico de Istanbul, separei a cidade em duas páginas e coloquei os nomes dos distritos dentro dos bairros. Então você vai notar os seguintes nomes nestas páginas: Eminönü, Fatih, Edirnekapı, Beyoğlu e Beşiktaş. Estas informações constam no Google.


 

 

İstanbul Boğazı ou Bosphorus (Bósforo)

 

A Torre Galata vista do porto de onde saem os ferries

 

Desta vez resolvemos fazer o passeio pelo Bósforo e andamos muito até chegar lá a partir da Hagia Sophia. Apesar disso, não compensa pegar um tram ou taxi. 

Chegando no porto do Bósforo, pelo preço de ₺12 desconfiei que não era o passeio com direito a paradas no trajeto. E não era mesmo. Mas nem teríamos tempo para visitar o Dolmabahçe Sarayı. Pendência para visitar quando voltar.

Uma curiosidade sobre este porto: há muitos restaurantes bem na borda do Bósforo e em cima, o viaduto tinha um monte de homens pescado... será que o peixe que eles pescam fazem parte do menu dos  restaurantes abaixo? Ai ai... eu não arrisco. Não tivemos tempo para andar por lá, mais uma pendência para quando voltar.

O passeio foi bom. Teve uma hora de duração e faz um bate e volta. Mas acho que ficamos no pior lugar do barco, bem lá atrás. Não tinha nenhuma cabeça na nossa frente porém, as construções históricas acabamos vendo de lado. Foi uma pena, mas da próxima vez faço um passeio com direito a paradas e tudo o mais. Portanto, não tirei muitas fotos. Neste passeio é lógico que tinha gente querendo vender coisas. Sempre tem vendedores em todos os lugares. Mas nada indispensável pra gente, apesar da fome. Faz frio neste passeio. Mesmo com sol, o vento é bem geladinho.

Muitos pescadores se aglomeram no porto

 

O barco te deixa no porto de partida e neste dia cometemos um delito juvenil. A fim de chegar à plataforma do tram, vimos a multidão da manifestação que estava aglomerada na Hagia Sophia andando na linha do tram a pé. Estávamos no meio de uma avenida movimentada, sem saber direito onde ir. O medo para atravessar aquela avenida foi grande já que os motoristas turcos são meio agressivos.

Uma curiosidade: não vimos nenhuma mulher dirigindo. Perguntamos a  um motorista de taxi em Kusadasι porque não há mulheres motoristas na Türkije e ele disse que realmente existem pouquíssimas mulheres que dirigem e que a maioria tem medo. Bem... agora sabemos porque elas têm medo, porque os motoristas são muito radicais. Em contrapartida, não vimos nenhum acidente de carro e nenhuma briga de trânsito.

Enfim....continuando sobre o nosso delito: foi aí que, depois de conseguir atravessar a avenida maluca, seguimos uma família local pelo acostamento, pela mureta e boom!!!! Estávamos na linha do tram e entramos na plataforma sem pagar! Ficamos super constrangidas quando percebemos o que tínhamos feito e queríamos pagar a passagem. Porém, o tram chegou rapidamenre e partimos para o outro lado do Bósforo (Beyoglu). Bem, minha consciência está limpa porque depois comprei uma jeton para guardar de recordação. Pronto, dívida paga!

 

 

Galata Kulesi

Beyoğlu

 

Torre Galata no meio dos prédios da região

A primeira vez que fui à Gálata em Mai/12 eu não consegui subir no topo dela. Na época descemos na estação Karaköy do tram e mesmo com o mapa, nos perdemos. A rua que subimos, após pedir informação, era uma rua muito feia. Bem inclinada e bem feia (esta percepção mudou em 2013 subindo por outra rua). Parecia um centro velho, fiquei meio incomodada lá. Mas ao avistar a torre, o sacrifício valeu a pena. Ela é linda!!!! Porém, vimos o tamanho da fila e desistimos de subir. E foi nesta hora que a fome estava consumindo a gordura localizada do meu corpo, não dava mais para continuar e então elegemos um restaurante na frente da torre.

O nome do restaurante é Gümes. Ele é no estilo rústico, tem um banheiro que fica no andar superior depois de uma escada caracol (eu sabia eu que eu encontraria muitas escadas deste jeito até o final da viagem). Parecia que o restaurante havia servido buffet do tipo self service há umas horas atrás. Dava pra ver a cozinha e aparentemente era tudo limpo. O restaurante tinha 90% de estrangeiros.

Eu pedi um frango empanado com fios de macarrão com purê de batatas. Estava muito bom e o tempero não era forte. O meu prato com chá Lipton ficou ₺17,50. Barato pela qualidade.

Galata Kulesi já foi chamada de Christea Turris (Torre de Cristo) pelos genoveses e como Megalos Pyrgos (Grande Torre) pelos bizantinos. Tem altura de 66,9 m (62,59 m não contando com o telhado) e é dividido em 9 andares. Quando foi construída, era considerado o prédio mais alto da cidade. A base da torre se encontra a 35 m sobre o nível do mar. Tem um diâmetro de 16,45 m na base, com 8,95 m de diâmetro interior, e paredes de 3,75 m de largura. O miradouro se encontra a 51,65 m de altura.

Foi construída em 1348 como parte da expansão da colônia genovesa de Constantinopla. Tratava-se da construção mais alta das fortificações que rodeavam a cidadela genovesa de Gálata. A torre atual não é a mesma que a antiga torre de Gálata, originariamente bizantina, chamada Megalos Pyrgos, que controlava o extremo norte do mar para a entrada do Chifre de Ouro. A original encontrava-se em um lugar diferente e foi destruída durante a Quarta Cruzada, em 1204.

A parte cônica superior da torre se modificou nas varias restaurações durante o período otomano, quando ela era utilizada como torre de vigilância. Segundo o Seyahatname do historiador e viajante otomano Evliya Çelebi, cerca de 1630 Hezarfen Ahmet Çelebi conseguiu voar utilizando asas artificiais desde a torre até as colinas de Üsküdar, na parte asiática. Evliya Çelebi também fala sobre o irmão de Hezarfen, Lagari Hasan Çelebi, que em 1633 realizou o primeiro vôo com um foguete cônico cheio de pólvora. As façanhas dos irmãos também se encontram recolhidas no livro de 1638, "Discovery of a World in Moone", de John Wilkins.

Na década de 1960, o interior original de madeira foi substituído por uma estrutura de concreto e o local aberto ao público. Nos andares superiores há um restaurante e um café, de onde se desfrutam magníficas vistas de Istambul e do Bósforo. Nos andares superiores também há local de festas onde são apresentados espetáculos turcos. Existem dois elevadores em funcionamento. O site oficial da torre está fora do ar.

Eu não imaginava que a torre ficava tão longe, tudo fica tão pequenino olhando de lá... porém, pra mim foi difícil fazer uma foto com uma visão panorâmica do continente. Tirei as fotos em partes, estava sem o meu tripé. É de tirar o fôlego! E foi naquele momento que eu reafirmei a minha paixão por aquele lugar!

Informações:
Horário de Funcionamento: diariamente das 09-20h. Provavelmente não abre em dias festivos, como no Ramadã.
Entrada:  ₺12 (não aceita credit card)
Endereço: Bereketzade Mh., Galata Kulesi, Beyoğlu
Infelizmente o site oficial da torre está inoperante

E como eu disse, em Set/13 voltei às ruas de Istanbul e o caminho foi bem melhor que o de 2012: saindo pela plataforma de Karaköy (ao sair do tram, saia pelo lado direito) atravessamos a avenida Kemeraltı Caddesi bem no estilo "vida louca" (muitos carros descendo), e caímos na Tersane Caddesi. Viramos a quarta direita provavelmente na Bereketzade Medresesi Sokak (onde tem a Bereketzade Medresesi Cami) que é uma ruazinha estreita e caímos na Bankalar Caddesionde demos bem de frente a uma escadaria bifurcada que tinha uma placa indicando o caminho da Galata Tower. Depois da escada, seguimos reto na rua que ela te deixa, a Bereketzade Medresesi Sokak, e no fim da rua você vê uma viela bem estreita. Entre lá que é a Camekan Sokak e você vai logo saber onde é o caminho correto, porque a torre estará bem no seu horizonte.

Desta vez finalmente tive a agradável surpresa de encontrar uma fila pequena. A subida da torre é feita por elevador limitado a poucas pessoas. Por isso que a subida e a descida são demoradas. Lá em cima você encontra uns dois restaurantes, quero voltar lá à noite num futuro próximo.

Na Türkije o tempo é sempre mágico (ou eu dei sorte de novo)! Subir e ver Istanbul em 360º imersa no imenso azul do céu, do mar e do Bósforo é algo tão inexplicável que dá vontade de ficar lá o dia inteiro. Eu sei que terei esta oportunidade!

De lá fomos rumo à Cezayir Sokağı para almoçarmos. Leia mais abaixo os detalhes deste lugar mágico!

 

 

Istiklal Caddesi

Beyoğlu

 

Em 2012 um dos últimos lugares que fui em Istanbul foi a Istiklal Caddesi. Andamos nela praticamente inteira. Andamos tanto, mas tanto que começamos a ficar ainda mais cansadas. A rua é um tipo de calçadão, porém o bonde também passa por lá. Deu vontade de pegá-lo, mas sei lá como funciona este troço? O ponto final dele é na praça Taksim, que era pra onde iríamos para pegar o Metrô e fazer baldeação no tram para voltar ao bairro de Eminönü.

Istiklal Caddesi é a antiga Grand Rue de Pera e Cadde-i Kebir no período otomano, é uma das avenidas mais famosas de Istanbul. Situada no coração do distrito histórico de Beyoğlu, é muito popular tanto para os turistas como para os locais — em alguns dias de fim de semana, chega a ser visitada por quase 3 milhões de pessoas. 

 

 

Sent Antuan Kilisesi (Basílica de Santo Antônio)

Beyoğlu

 

No caminho, encontramos a Basílica de Santo Antônio (Sent Antuan Kilisesi) e entramos nela. Muito bonita. É a maior igreja católica de Istanbul e possui 106 anos. A igreja possui sinais da presença franciscana na sua arquitetura e ao longo destes anos, encarna o espírito de Francisco no cariz de respeito entre o Ocidente e o mundo islâmico. O convento de Santo António recebe "caravanas" da fé religiosa de católicos, ortodoxos e islâmicos, para partilhar, em nome de António de Lisboa, santo universal, uma relação caracterizada por um espírito de acolhimento e de respeito mútuo.

 

Saindo da Basílica andamos muito em direção à Praça Taksim.

Quando finalmente alcançamos a Praça Taksim, poucas fotos foram feitas por causa da exaustão e pegamos o metrô. Não lembro quanto custava o bilhete, era barato, mais ou menos ₺2. O cansaço do momento não me permitiu registrar o valor na minha memória. Mas lembro que o metrô é bem limpo e moderno. Descemos uma estação depois, na estação Kabataș e pegamos o tram. Ficamos assustadas porque era horário de pico. Mas nada se compara ao metrô de SP. Ele enchia, enchia e enchia, mas nada insuportável.

A Praça Taksim, bem como a Istkilal Caddesi é palco de várias manifestações de Istanbul e inclusive, em 2013 acompanhei a evolução das manifestações sobre a derrubada do Park Gezi que foi como estopim do descontentamento da população em relação às ideias políticas. Foi notícia no primeiro semestre de 2013 no mundo inteiro e acompanhei de forma bem apreensiva. Mas sei que, mesmo estando lá, acontecendo uma manifestação daquela proporção, me sentiria segura nesta cidade e acho que até participaria do movimento.

Em 2013 voltei à avenida com mais disposição e a explorei com mais afinco, mas desta vez não passei na Praça Taksim. Veja mais abaixo sobre a passagem Çiçek Pasajı e as ruas Nevizade Sokak e Cezayir Sokağı.

 

 

Çiçek Pasajı

Beyoğlu

Conheci a Çiçek Pasaji que é uma das várias galerias existentes naquela parte da cidade, na verdade é uma passagem coberta. Lá você encontra outros restaurantes um pouco mais requintados do que da Cezayir Sokağı e saindo pela passagem diferente daquela principal, cai no mercado de peixes. Não tem jeito, eu adoro este tipo de coisa, apesar de não consumir quase nada, adoro ficar olhando e vendo a movimentação das pessoas. 

Çiçek Pasajı significa Passagem das Flores, também chamada de Cité de Péra, é uma famosa galeria comercial  localizada na Avenida Istiklal, no distrito de Beyoğlu. A galeria liga a Avenida Istiklal com a Avenida Sahne.

Aberto em 1876, a Çiçek Pasajı é um edifício de três andares, com uma fachada em pedra, considerada uma das mais ornamentadas de Beyoğlu e uma área famosa pela sua arquitetura. Atualmente tem principalmente cafés, restaurantes e bares históricos.

No local onde se encontra a galeria esteve em tempos o Teatro Naum, o qual foi severamente danificado durante o que ficou conhecido como o "incêndio de Pera" de 1870. O teatro era visitado frequentemente pelos sultões Abd-ul-Aziz e Abd-ul-Hamid II e nele foi apresentada a ópera de Verdi, Il trovatore, antes de o ser em Paris.

Depois de 1870, o teatro foi comprado por um banqueiro local, o grego Hristaki Zoğrafos.O projeto do edifício atual foi da autoria de um arquiteto europeu (italiano segundo uns, francês segundo outros), que recebeu o nomes de Cité de Péra e Hristaki Pasajı nos seus primeiros anos. A galeria tinha naquela época 24 lojas e o resto do edifício era 18 apartamentos de luxo. Entre as lojas, havia a loja japonesa Nakumara'nın, a Dulas'ın de flores, uma pastelaria francesa, o alfaiate Keserciyan'ın, a tabacaria Acemyan'ın, o café Hristo, etc. O primeiro bar a abrir na galeria foi o Yorgo'nun Meyhanesi (bar ou salão do Yorgo). Em 1908, o grão-vizir otomano Sait Paşa comprou o edifício, que passou a ser conhecido como "Passagem Sait Paşa".


A seguir à Revolução Russa de 1917, muitas senhoras da aristocracia russa no exílio, incluindo uma baronesa, encontraram um meio de subsistência vendendo flores na galeria. A popularidade foi tal que o local passou a ser conhecido como "Passagem das Flores" (Çiçek Pasajı) e quase todas as lojas passaram a ter flores. A partir dos anos 1940 os bares começaram a substituir as lojas de flores. O mais famoso de então era a Nektar Birahanesi (Cervejaria Néctar). No final da década de 1950 as flores pouco mais eram que uma recordação.

O edifício teve partes ruídas em 1973 e em 1978. O edifício foi restaurado em 1988 e reabriu como galeria de bares e restaurantes. Em dezembro de 2005 foi novamente restaurado.

Saindo da Çiçek Pasajı

... você encontra muito comércio....

... principalmente muitos produtos aimentícios

 

 

Nevizade Sokak

Beyoğlu

 

É uma animada rua em Beyoğlu, paralela à Istiklal Caddesi e atrás da Çiçek Pasajı na continuidade do  Bazaar Fish (Balık Pazari).

O forte da rua é a noite quando está cheia de pessoas de todas as idades, todos com o mesmo objetivo: curtir a noite, comer mezes ou outros pratos e beber seja rakı , cerveja ou vinho.

Entrando na rua, é lógico que garçons vão tentar convencê-lo a escolher o seu restaurante. Dizem que é difícil fazer uma má escolha já que a comida em geral é muito boa e homogênea. Basta escolher aquele restaurante que lhe oferece a tabela mais atraente por motivos pessoais.

Procure os restaurantes com música ao vivo e principalmente aqueles que tocam música clássica turca para emergir na cultura local, mas lembre-se que terá que pagar o couvert.

Um dia volto para jantar por lá! Deve ser divertido! É meio boêmio, no estilo turco.

Não muito distante de lá, a pé, demos uma passada na frente do Pera Museum e do Hotel Pera, mas para a minha surpresa, não consegui tirar fotos do mesmo já que a rua é curta e a câmera não consegue tirar uma foto decente do prédio. Mais um lugar para conhecer na terceira vez que eu for!

Antes disso devo escrever aqui que conheci o submundo de Istanbul! Fica na Tarlabaşı Bulvarı onde vimos pessoas esquisitas, prostitutas e um homem cheirando cola! Evite o lugar! Saímos correndo de lá!

Voltando de metrô + tram para Beyoglu, é totalmente irresistível ignorar a Sultan Ahmet Camii e a Hagia Sophia banhadas em luz no meio da escuridão da noite. É de arrepiar como estes dois prédios são espetaculares! Eu não consigo parar de achar razões para voltar o quanto antes para lá! Já não vejo a hora!

 

 

Cezayir Sokağı

Beyoğlu 

A Cezayir Sokağı é uma rua que mais parece um beco quase sem saída em Beyoglu onde não passa carros. Os restaurantes e cafés instalados lá são pequenos e um grudado no outro, alguns decorado com tendas, músicos de rua, e sem perder o jeito boêmio misturado com França e Türkije. Inaugurada no Verão de 2004 após uma completa renovação da rua de cabo a rabo feita por um grupo liderado por Mehmet Tasdiken, projeto que levou 2 anos. Os edifícios e calçadas foram melhorados e um sistema de som especial foi estabelecido.

Os edifícios e calçadas foram melhorados e um sistema de som especial foi estabelecido. Tasdiken tinha contatos com a Prefeitura de Paris, por onde as pedras da rua foram enviados bem como lampiões de gás e de carvão de 100 anos de idade do município de Paris. O distrito de Beyoglu em Instanbul possui uma afinidade com a França já que a maioria dos estabelecimentos de lá, como os primeiros cafés e os primeiros cinemas, foram estabelecidos pelos franceses no século 19 e os prédios do lado esquerdo da Cezayir possui a assinatura do engenheiro francês Marius Michel, que viveu em Istambul entre 1890 e 1910 e construiu as docas de Karakoy e Eminonu.

A Cezayir Sokağı tem uma área coberta de 9.000 m² e capacidade de receber 3.000 pessoas em conjunto com as áreas ao ar livre . O número de visitantes diários é de cerca de 6.500. Os aquecedores nas ruas permitem que as áreas abertas sejam utilizadas mesmo em dias frios.

Já era umas 15h e portanto, não haviam muitas pessoas por lá. O pessoal dos restaurantes ficam loucos para conseguir puxar você para dentro de seus estabelecimentos, mas primeiro de tudo eu queria conhecer o lugar.

A rua é pequena e depois foi só sentar em um lugar para nos deliciarmos com os queijos fantásticos e as mezes. Como eu amo este tipo de comida! Escolhemos o restaurante Chez Boré.

As mezes, ou Çilingir sofrası₺ custou ₺18,50, limonada com hortelã (naneli limonata) ₺9, o chá Yaseminli Çay ₺8. O atendimento é sempre muito bom, porém, o nível de inglês causou um pouco de confusão, mas no final deu tudo certo. Notícia de 2014 é que o local fechou. Mas em qualquer outro restaurante da rua que você for, será sucesso.

 

 

Dolmabahçe Sarayı

Beşiktaşz

 

Quase na entrada do palácio

E finalmente conheci o Dolmabahçe Sarayı. E afirmo que ele é estupidamente lindo. O palácio não é tão grande mas as salas que nos permitem visitar são ricas em detalhes. Ataturk quando residiu o edifício, não fez alterações, desta forma, do jeito que está é o mesmo jeito do tempo dos sultões.

Os portões também são um show à parte! Muito requintados e meio solitários, o que me faz pensar que foram projetados por verdadeiros artistas! Os portões que dão para o Bósforo são as coisas mais bucólicas e perfeitas da face da Terra! A emoção e energia do lugar são inexplicáveis!

Havia muitas flores desabrochadas e a fonte dos cisnes é exatamente o que eu tinha na memória das pesquisas que eu tinha feito anteriormente! Como disse uma amiga... este é um verdadeiro "sonho de lugar".

Enquanto a Europa começa a entrar no Outono deixando tudo amarelado e alaranjado, a Türkije continua quente, colorida e florida, com céu azul e muita alegria espalhada em todos os cantos. É definitivamente mágico!

Não são permitidas fotos dentro do palácio e deve-se andar em grupo. O guia que nos explicou sobre o lugar em inglês era bem descontraído e muito atencioso. Eu fiquei com muita vontade de burlar as regras e tirar uma foto de lá dentro, mas por respeito, não fiz isso. Em alguns sites especializados é possível rever as fotos, então, é o que eu faço para não esquecer o que eu vi!

A escadaria com cristais é bárbara e subimos por ela! Eu não sabia que poderíamos andar nela! Foi emocionante!O jardim de entrada é muito bonito e bem cuidado.

Ele foi o principal centro administrativo do Império Otomano de 1853 a 1922 (de 1889 a 1909 o Yıldız Sarayı também foi usado) e o primeiro palácio de estilo europeu em Istanbul. Construído por ordem do sultão Abdülmecid I entre 1842 e 1853, com um custo de 5 milhões de libras de ouro otomanas, equivalentes a 35 toneladas de ouro. Catorze toneladas de ouro foram usadas para ornamentar os tetos do palácio. O projeto contém ecléticos elementos dos barrocos, rococó e neoclássico misturados com a tradicional arquitetura otomana para criar uma nova síntese. Funcionalmente mantém elementos da vida tradicional otomana do palácio, e também as características das casas tradicionais turcas. É o maior palácio da Türkije, considerando que a área da construção principal ocupa 45 mil m².

Inicialmente o sultão e sua família viveram no Topkapı Sarayı, mas como Topkapi não tinha tanto luxo, Abdülmecid decidiu construir o Dolmabahçe Sarayı, perto do local do antigo Beşiktaş Sarayı no Bósforo, que fora demolido. Considerando que o Topkapi possui excelentes exemplares de azulejos de Iznik e esculturas otomanos, o Dolmabahçe contém muito ouro e cristal. Turistas podem andar livremente em suas partes externas, porémm, para visitar o seu interior, somente com uma visita guiada.

O palácio é composto de três partes: a Mabeyn-i Humayun (ou Selamlık) que são os quartos reservados para os homens), Muayede Salonu (o salão cerimonial) e do Harém-i Humayun (o Harem , os apartamentos residenciais da família do Sultan). O palácio tem uma área de 45.000 m² e 285 quartos, 46 salas, 6 banheiros com banho turco e 68 banheiros normais.

A famosa Escadaria de cristal tem a forma de uma dupla ferradura e é construída de cristal Baccarat, bronze e mogno. O palácio inclui um grande número de tapetes do palácio Hereke feitos pela Fábrica Imperial de Hereke. Também possui tapetes de pele de urso de 150 anos de idade que fora originalmente apresentados ao sultão como um presente pelo Czar da Rússia.

Mustafa Kemal Atatürk, fundador e primeiro presidente da República da Türkije, passou seus últimos dias no Dolmabahçe Sarayı. Atatürk morreu às 9h05min de 10 de novembro de 1938, num quarto que é atualmente parte do museu.

A Muayede Salonu, literalmente "Salão Ceremonial" é o espaço fechado mais lindo construído pelo homem que eu já estive. Possui 2000m², 36m de altura e uma cúpula de 25m de diâmetro, além de 56 colunas e um carpete Hereke de 124m² no chão. O Dolmabahçe possui a maior coleção de lustres de cristal boêmio e baccarat do mundo. O majestoso lustre  com 664 lâmpadas e peso de 4,5 toneladas é o maior lustre de cristal Boêmio do mundo, e foi um presente da Rainha Victoria do Reino Unido. o lustre foi feito na Inglaterra em 1853.

Nota: Baccarat é um tipo de cristal muito fino e caríssimo!

Informações:
Horário de funcionamento: 09-16h, fechado nas segundas e terças-feiras.
Endereço: Vişnezade Mh.  34357 Beşiktaş/İstanbul
Tel: +90 212 236 9000
Entrada: Selamlık (salas do palácio) ₺30 / Harem  ₺20 / Palácio e Harem ₺40
Informações podem sofrer alterações. Consulte o site oficial antes.

 

 

Kariye Müzesi (Igreja de São Salvador in Chora)

Edirnekapı

 

Estávamos mais na região do Grand Bazaar e voltamos de tram para a frente do hotel, sacamos mais um dinheirinho e pegamos um taksi honesto. O cara dirigia tão rápido que a única coisa que pensei foi: "quero ficar com os meus dentes dentro da minha boca" hahahahaha. O taxímetro apontou ₺7 a corrida.

E chegamos à Igreja de São Salvador in Chora (lê-se "cora"). Fica muito próximo do hotel que estávamos hospedadas, o Barceló Eresim Topkapι. O ideal é pesquisar antes como seria o itinerário de carro e prestar a atenção no caminho que o taxista está fazendo. Se fizer isso, não terá nenhuma surpresa desagradável.

Lá há uma pracinha muito graciosa com restaurantes e lojinhas de lembrancinhas. Um ambiente muito agradável. Em quase todos os lugares que tinham o audioguide chegava a umas ₺10. Na verdade eu estou chutando o preço, não prestei atenção. Mas deve ser isso mesmo.

A Igreja de São Salvador em Chora (em turco: Kariye Müzesi, Kariye Camii, ou Kariye Kilisesi) é considerada um dos mais belos exemplos de uma igreja bizantina. A igreja está situada no oeste da cidade, no distrito de Edirnekapı. No século XVI a igreja foi 'convertida' em uma mesquita pelo Império Otomano e tornou-se um museu em 1948. O interior da construção é quase todo coberto por mosaicos e afrescos.

A igreja foi inicialmente construída fora dos muros de Constantinopla, ao sul do Chifre de Ouro. Contudo, quando Teodósio II construiu suas Muralhas, a Igreja se tornou parte da cidade. Após danos devido a um terremoto, no começo do século XII, a Igreja foi reconstruída por Isaac Comnenus, terceiro filho de Aleixo I Comneno. Somente dois séculos depois que a Igreja foi finalmente finalizada. O governante bizantino Teodoro Metoquita decorou a Igreja com muitos de seus mosaicos e afrescos, entre 1315 e 1321. 

Os mosaicos são os exemplos mais brilhantes da Renascença dos Paleólogos. Teodoro foi enviado para o exílio por Andrónico III Paleólogo, mas voltou dois anos mais tarde e viveu o resto de sua vida na Igreja como um monge.

Durante a última Queda de Constantinopla, em 1453, o ícone da Hodegetria de Theotokos, considerado o protetor da cidade, foi levado para a Igreja para defender a cidade do ataque dos Otomanos. Cinquenta anos depois, a igreja foi convertida em uma mesquita por Atık Ali Paşa, Grão-Vizir do Sultão Bayezid II. Infelizmente devido à iconoclastia do Islã, os mosaicos e afrescos foram cobertos com gesso, por isso que o trabalho de restauro teve problemas e podemos ver isso. Em 1948, Thomas Whittemore e Paul A. Underwood, do Instituto Bizantino da América e do Centro Dumbarton Oaks, patrocinaram um programa de restauração. Em 1958, a Igreja se transformou em um museu: o Kariye Müzesi.

No lado de fora da igreja, alguns taxistas queriam cobrar um preço fechado por ₺25 até o hotel. Que abuso! Achamos um outro taxista pelas redondezas e ficou por ₺10 a corrida no taxímetro. Boa dica para você não aceitar valores abusivos. Sempre haverá um taksipor perto que vai te atender da forma correta!

Informações:
Horário de atendimento: 
Aberto no verão das 9-19h, inverno das 9-16h30
Não abre às quartas.
Entrada: ₺15
Endereço: Kariye Müzesi  Eyüp, Kariye Cami Sk No:26, İstanbul - Avrupa
Tel: +90 212 631 9241
Fotos permitidas sem flash
audioguide a parte do valor do ingresso

 


 

 

Hospedagem, Locomoção, dicas e etc.

 

Barceló Saray Hotel: Este é o hotel 4* que recomendo a todos para se hospedarem em Istanbul. Tudo bem que eu não conheci mais do que dois lá, porém a vantagem dele é que, além de ser bom e com equipe muito boa e atenciosa, fica perto de tudo de Sultanahmet. Ficamos hospedadas lá no primeiro tarde/noite. Chegamos, colocamos as malas e já descemos para tirar dinheiro em liras turcas e caminhar pela cidade. Possui caixa eletrônico bem na porta de entrada do hotel, além de estar a poucos metros do Grand Bazaar. Endereço: Mimar Kemalettin Mah. Yeniceriler Cad. No:77 Beyazit, FatihInformação de 2014: ESTE HOTEL AGORA CHAMA-SE HOTEL BEYAZSARAY, ainda 4* mas não pertence mais ao grupo Barceló.

Para facilitar a vida, jantamos no Barceló Saray. Porém os pratos não eram muito turcos e eu estava ansiosa para provar as deliciosas mezes. De entrada havia pães que pareciam pães franceses (aqui em SP), azeitonas e três tipos de azeites. Muito bom! Aliás, ficamos sabendo que na Türkije há uma oliveira para cada habitante. O azeite deles não é forte como o português, é bem mais leve e claro. Os pães são maravilhosos, aqueles com gergelim e com azeitonas + gergelim são divinos, mas só os conheci na Capadócia. Aliás, lá provei a geléia industrializada de rosas, divina! Pena que não pude trazer um pote disso... A vista do restaurante era muito bonita e dava pra ver uma mesquita pequena que fica quase ao lado.

Naquela noite acabamos entrando em uma loja de cosméticos. Encontrei um shampoo da Wella para cabelos oleosos. Nossa, o meu cabelo adorou. O pote era grande (350ml) e custou apenas ₺7,50, o equivalente a uns R$9.

Barceló Eresim Topkapi: Chegamos no Aeroporto Atatürk de Istanbul às 9h e pegamos um taxi (taksi). Chegando no hotel lá pelas 9h35 o atendimento foi impecável. Mesmo estando antecipadas em relação ao check in (que começa 12h), fomos acomodadas no quarto. O hotel é uma classe superior ao Barceló Saray, considerado 4* superior. É muito bom, na verdade, excelente. Porém a desvantagem é que não dá para ir a pé até o Grand Bazaar. Endereço: 186 Millet Caddesi, 34104 İstanbul.

Você pode optar pelo #Bunk Hostel que fica no bairro boêmio de Beyoğlu. Possui quarto privado e é moderno. Possui um café que à noite, no terraço tem música ao vivo com DJ.

Transporte em Istanbul

 

Só mais tarde que conhecemos o tram e o metrô de Istanbul, e foi aí que percebemos que se tivéssemos ido de transporte público do Aeroporto Atatürk ao hotel não teríamos nenhum problema na locomoção das nossas malas enormes. Mas na dúvida, fomos de taksi. Deu ₺25 até o hotel Barceló Eresim Topkapι. Eu fiquei preocupada com o taksi porque tinha lido que alguns taxistas são desonestos, aliás, o casal Kalil que estava na mesma excursão que a gente acabou gastando ₺70 numa corrida que daria ₺25. Bem... na viagem inteira não tivemos problemas com isso, ainda bem.

Saímos correndo para o centro de Istanbul na parte histórica conhecida como Sultanahmet no bairro de Eminönü. Para isso pegamos pela primeira vez o tram da estação em frente do hotel Eresim. O tram é um tipo de metrô de superfície. Perto da catraca há a jeton matik para comprar as ₺2 e achei a coisa mais impressionante porque é fácil entrar na plataforma sem pagar, não há fiscal e mesmo assim o negócio funciona. Pra gente chegar no centro histórico eram umas 6 estações. Muito fácil de usar, ágil, limpo e relativamente novo. O link do mapa do tram, do metrô e todas as outras linhas de transporte públicos estão no final desta página.

tram possui portas que abrem com o acionamento manual, sendo assim, para sair do vagão estando o tram parado na plataforma, basta apertar o botão que fica na porta. E fomos direto ao Grand Bazaar. A nossa sorte é que era cedo e, portanto, nossas fotos ficaram ótimas porque não havia muita gente.

Sugestão para melhor aproveitar Istanbul

 

Minha sugestão é você ficar no mínimo 7 dias inteiros em Istanbul, sendo que 1 deles você ficaria no Topkapı + harém, e outro na região da Sultan Ahmet Camii e da Hagia Sophia. Os ouros dias você pode calmamente explorar as outras atrações e a cidade como um todo. Pode reservar uma manhã inteira com o passeio pelo Bósforo com direito a paradas nos castelos, à tarde subir na Torre Gálata e andar pelas redondezas e à noite ir à uma balada (como a Reina). É apenas uma sugestão que certamente eu mesma faria se tivesse todo este tempo.

Incluir um dia a mais de estadia não vai pesar muito no orçamento e levando em consideração que a comida e o transporte são baratos, vale a pena o investimento de adquirir mais conhecimento e cultura à sua vida.

Logo mais abaixo, coloquei mais alguns tópicos do que você pode fazer em Istanbul e que certamente, na minha 3ª volta à esta belíssima cidade, eu farei!

Observação: Maio/2012 fiquei 3 dias inteiros e em Setembro/2013 mais 3 dias inteiro. Afirmo que ainda não foram suficientes.

 


 

 

Passeio pelo Bósforo:

Duração: 1h30 Bósforo ₺17,50 (+- R$ 24).
Os 32km de águas, que dividem a Europa da Ásia, contam um pouco do passado de guerras, riquezas, conquistas e derrotas protagonizadas na encruzilhada dos continentes. A ponte entre o Mediterrâneo e o Mar Negro transformou Istambul em uma das cidades mais importantes e estratégicas da Idade Média e da Idade Moderna. Ainda hoje, o Bósforo é uma indispensável rota comercial. A melhor maneira de explorar o Bósforo é justamente a mais barata. Há transporte público entre as duas margens do estreito, com três saídas diárias: 10h35, 12h e 13h35. Os passageiros embarcam no porto de Eminonu, ao lado da ponte Galata.

É bom chegar um pouco antes para conseguir um bom lugar no barco (sugiro sentar-se no lado esquerdo do barco). Mesmo nos quentes dias de verão, é recomendável levar um casaco, pois o vento durante a viagem às vezes incomoda.

O barco faz seis paradas até chegar ao destino final, até o continente asiático: o pequeno vilarejo Anadolu Kavagi. Lá, é possível admirar o início do Mar Negro e comer frutos do mar baratos. O tour de barco dura uma hora e meia. Mas é impossível parar de fotografar durante todo o percurso. Enquanto a embarcação avança, novos monumentos surgem como mesquitas, palácios ou residências às margens do Bósforo. As casas que se vê, pertenciam aos integrantes da aristocracia otomana e são conhecidas pelos turcos como yalis. Os sultões também deixavam a antiga Constantinopla nos dias mais quentes em busca do refrescor nas águas que dividem a Ásia da Europa. Quando o Império Otomano caiu, há quase um século, viver em yalis passou a ser considerado retrógrado. Mas as casas foram restauradas e a maioria está ocupada. 

Empresa indicada pelo Guia Visual para o passeio é a TDI (pier 3). É bom ir na parte do final da manhã (10h35) porque ele desembarca em Anadolu Kavagi e você pode aproveitar para almoçar. Pode-se voltar no mesmo ferryboat ou pegar taxi, ônibus ou dolmus. Nesta parada vê-se o Castelo Genovês (fortaleza bizantina do séc XIV) e outra parada, o Dolmabahçe Sarayı. Também chama a atenção o forte de Rumeli Hisar, uma das edificações otomanas mais antigas da cidade, construída antes mesmo da conquista de Constantinopla. Servia de base aos súditos de Mehmet, o conquistador, antes da tomada da cidade. Outro monumento famoso às margens do Bósforo é o Beylerbeyi Sarayı, que fica do lado asiático. Era usado como residência de verão dos sultões.

Istanbul possui dois aeroportos internacionais: "Atatürk International Airport" e o Sabiha Gökçen International Airport, sendo o primeiro o mais utilizado.

 


 

 

Clique na imagem abaixo para abrir o mapa dos locais indicados neste site:

 

Mais lugares para conhecer:

 

BANHO TURCO: Não tomamos este banho mas entramos em uma das inúmeras casas de banho que existem por lá. O local chama-se "Cağaloğlu Hamamι" e não fica muito distante da Hagia Sophia. E realmente é um lugar muito agradável e que exibe orgulhosamente uma faixa sobre a indicação do guia "1.000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer". 

TÚMULO DO SULTÃO AHMET I: Fica perto para quem está na Sultan Ahmet Camii. O túmulo fica em um complexo externo da Mesquita e pertinho da Fonte kaiser Guilherme II. Há ainda um MUSEU DE MOSAICOS (Mozaik Müzesi) na rua Torun Sokak, quase nas costas da Sultan Ahmet Camii. Deve ser interessante para quem se impressiona com esta arte. E lá ao lado da Hagia Sophia, há o MUSEU DE TAPETES (Halι Müzesi) que antes era o pavilhão imperial. Fica perto da entrada do Topkapi.

MAUSOLÉU DE MEHMET III e de MURAT III e a BIBLIOTECA DE MAHMUT I: Ao visitar a Hagia Sophia aproveite para conhecer o mausoléu, além da biblioteca do sultão Mahmut I. Não esqueça de ver a fonte de abluções que fica na parte externa, quase na saída/entrada. Ela foi construída em 1740 em estilo rococó turco. Eu não a vi por causa da manifestação que estava tendo naquele dia, naquele lugar.

Ortaköy
Sirkeci Station
(Expresso Oriente)
Aya Nikola Rum Ortodoks Kilisesi
Chifre de Ouro (ou Haliç em turco)

Aya Yorg (Igreja Ortodoxa de Constantinopla)
Sveti Stefan Kilisesi (Igreja de Santo Estêvão dos Búlgaros)
Meryem Ana Rum Ortodoks Kilisesi (igreja grega ortodoxa)
Istanbul Museum of Modern Art
Pera Museum
Büyük Saray Mozaikleri Müzesi (Mosaic Museum)
Yoros kalesi (ruínas do castelo Yoros que dá visão da cidade e do Bosphorus)
Küçüksu Kasrı (castelo que era casa de verão de sultões)
Kılıç Ali Paşa Külliyesi (mesquita onde até Miguel de Cervantes foi operário)

 

ATENÇÃO: Algumas informações descritas no site podem mudar, como por exemplo, preços, horários de funcionamento e até mesmo endereços. Consulte sempre antes de ir! Não possuímos vínculos com as empresas, serviços e profissionais mencionados neste site 😉

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por