EnglishPortugueseSpanish
Diário de Bordo: Prosecco de Valdobbiadene, Itália
Postado por Estela T em dezembro 16, 2016 Editado em fevereiro 10, 2017
Diego e sua irmã em Valdobbiadene

Diego e sua irmã em Valdobbiadene

O melhor prosecco do mundo vem de Valdobbiadene, Itália. Esta é uma cidade da província de Treviso, no norte da Itália e produtora de vinhos. Como fica abaixo dos Alpes Dolomite, é o local propício em relação ao clima para o cultivo da uva Glera. É nesta cidade que são fabricados os melhores proseccos do mundo e, para quem quer conhecer um pouco mais, fique de olho nas marcas: Cartizze, Altaneve, Mionetto, Masottina. A matéria quem dá o tom é nosso amigo e professor Diego.

 

DIEGO - Meu nome é Diego e sou um professor de italiano e chef de cozinha que mora há 6 anos no Brasil, em São Paulo. Entre minhas paixões além de cozinhar, adoro a gastronomia bucólica, agriturismo em geral e um bom vinho italiano.

 

Recentemente visitei minha família perto de Veneza, cidade que eu morava, e acabei visitando uma região que eu considero o coração do vinho branco italiano: Valdobbiadene.

Apesar de conhecer muito bem essa cidadezinha, nunca deixo de admirar a beleza artística e panorâmica dela, pois esta cidade tem uma magia em sua maravilhosa paisagem, toda contornada por vinhedos de produção do PROSECCO, o vinho mais exportado dos últimos anos.

O prosecco da região é um vinho que possui a etiqueta D.O.C. que certifica a procedência e origem do mesmo, sendo este território confinado entre as cidades de Treviso, Conegliano e Valdobbiadene. É como se você tivesse que escolher entre um time de série A, B ou C. O prosecco de Valdobbiadene é do time da série A... Você pode comparar até pelo preço, e sabor, tudo isso pelo fato de ser produzido numa região mais limitada e mais "badalada".

 

diego-08

Edificações de Valdobbiadene

diego-07

Vinhedo em Valdobbiadene

Prosecco Superiore brut de Valdobbiadene

Prosecco Superiore brut de Valdobbiadene

diego-10

Prosecco de Treviso

A região exporta muito prosecco ao mundo todo, porém a maior parte desta exportação é composta por vinhos do tipo "comercial" e que vêm das regiões de Treviso e Conegliano. Os preços na Itália variam de €2 até €6. O  vinho de Valdobbiadene, particularmente o Cartizze, que vem de uma pequena área dentro de Valdobbiadene, pode variar de €4 até €12 (é um dos mais finos). 

O prosecco geralmente pode ser Brut (mais firme, com gosto forte, mais amargo...que eu adoro), Dry (seco com borbulhas), Extra Dry (super seco com borbulhas), Millimesimato (um tipo de champanhe) e Rosé (com as variações de Dry, Extra Dry, são suaves).

Há muitas cantinas famosas das produtoras de prosecco. Para ser mais preciso, há umas duzentas ou mais pequenas e médias cantinas somente em Valdobbiadene. As mais famosas são Mionetto, Bortomiol, Ballancin , etc... mas não dá para falar qual é a melhor.

O meu conselho é: Visite Valdobbiadene antes, durante ou depois da colheita, porque em qualquer momento a região é uma das mais encantadoras que vocês podem visitar. 

Vinhedos de Valdobbiadene

Vinhedos e montanhas de Valdobbiadene

diego-09

Uma das cantinas de Valdobbiadene

diego-03

Sem uvas no final de 2016, Valdobbiadene

Diego e sua família em Valdobbiadene

Diego e sua família em Valdobbiadene

 

Como ir: Não tem muito jeito.... vá de carro. Há empresas de ônibus que podem te levar até o centro de Valdobbiadene, mas já que você está por lá, explore os arredores. E só de carro pra fazer isso. Segundo Diego, você pode facilmente alugar um carro em Treviso ou Conegliano. Ainda segundo Diego, há quem prefira ir de bicicleta, já que os trajetos não são tão 'hard'.


Sugestão de rota: Ao longo da rota do vinho de Treviso, você pode parar em vários pontos interessantes da região. Se você estiver de carro, dirija-se a Conegliano porque é lá que começa a "Rota do Vinho”, mais precisamente no Instituto do Vinho Cerletti. Pode ser interessante aprender um pouco por lá.

Depois siga em direção a Collabrigo e fique de olho na vista para as colinas em volta, passe pela cidade San Pietro di Feletto e siga para Refrontolo. Nesta cidade vale a pena dar uma paradinha e tirar umas fotos do "Molinetto della Croda” que é um moinho ao lado de uma cachoeira de arquitetura rural original do século XVII onde a fundação do edifício é embutida na rocha e mantém intacta a cachoeira.

Em seguida vá para para Solighetto onde a Villa Brandolini do século XVIII abriga o Consórcio de Prosecco Conegliano Valdobbiadene DOCG.

Siga por Solighetto e logo após Farra di Soligo, procure pela igreja de São Vigilio e as medievais "Torri di Credazzo". Siga pela Col San Martino chegue em Colbertaldo observando os celeiros e galpões.

O "cru" do Prosecco DOCG da região é o “Cartizze”, como Diego já disse na matéria. Vale muito a pena conhecer este outro vinho top.

Dirija-se ao centro de Valdobbiadene, na sua praça principal que é cercada por edifícios neoclássicos.


Hospedagem: pelo o que averiguei, as diárias de hotéis são salgadinhas, então, prepare o bolso!

 

Todas as fotos são de autoria do entrevistado e cedidas para uso exclusivo do Itinerário de Viagem. Direitos reservados, por favor, respeite!

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por