EnglishPortugueseSpanish
DIÁRIO DE BORDO: Indo e voltando ao Caminho de Santiago de Compostela
Postado por Estela T em julho 1, 2016 Editado em janeiro 11, 2017

Mauro é um paulistano que adora aventura e sempre opta por viagens deste tipo. Em 2010 ele fez a sua primeira viagem no Caminho de Santiago de Compostela e se apaixonou (saindo de Saint Jean Pied de Port na fronteira da França com Espanha). Agora ele está indo e voltando ao Caminho de Santiago de Compostela

Naquela viagem ele percorreu 820km a pé e depois voltou em 2015 e percorreu 940km, também a pé! Mas o desejo de realizar tamanho desafio pessoal começou em 1989, quando um amigo seu indicou o livro “O Diário de um Mago” (do escritor brasileiro, Paulo Coelho). Após ler o livro, Mauro ficou com muita vontade de realizar a jornada pelo Caminho de Santiago.

O Itinerário de Viagem traz o Diário de Bordo do aventureiro, onde podemos aprender como se preparar para encarar tamanha façanha, além de compartilhar sua experiência espiritual.

Mauro no trecho espanhol do Caminho de Santiago, na cidade de Ferreiros.

Mauro no trecho espanhol do Caminho de Santiago, na cidade de Ferreiros.

Um pouco mais sobre Mauro

Meu nome é Mauro, nasci em São Paulo (Brasil) onde vivo até o momento. Sou formado em produção audiovisual e nessa área me dedico mais a fotografia, além de ser músico e guia do Caminho de Santiago. Sempre gostei de viagens de aventura. Já fiz três viagens de moto para o Norte e Nordeste do Brasil. Entre os lugares que conheci e fiquei impressionado dentro do Brasil, destaco as Chapadas Diamantina, Guimarães, Veadeiros e o Jalapão. O lugar mais distante que fui até o momento foi ao Hawaii (EUA). Os próximos roteiros que estou programando são: Terra Santa, Egito e Japão.

 



 

Antes de ir

“Antes de realizar a viagem, li muito a respeito do caminho em si. Fui em uma palestra direcionada e conversei com um médico sobre como evitar as bolhas nos pés (que é muito comum à grande maioria das pessoas que optam fazer o caminho a pé). Como já fui mais de uma vez, a dica da minha preparação é que começo o meu treinamento 6 meses antes da peregrinação com fortalecimento do condicionamento físico regado a muitas caminhadas, corridas, bike e musculação direcionada para as pernas. Outra dica que passo é que os treinos de caminhada que realizo, sempre são com os acessórios essenciais para o caminho que usarei lá na Europa, sendo:

A cidade Saint Jean Pied de Port, França

A cidade Saint Jean Pied de Port, França

bota e mochila cargueira. O peso disso tudo deve ser 10% do seu peso ideal. Desta forma, consigo me adaptar à realidade da peregrinação. Sem contar que amaciar os calçados é fundamental (sempre levo um par de botas e de tênis)”.

Perguntado a Mauro qual foi o momento mais emocionante da travessia ele respondeu:

“São vários momentos, pois todos os dias são diferentes. Chegar na cidade Saint Jean Pied de Port (França) é maravilhoso e fazer a travessia dos Pirineus é algo inexplicável.

A travessia dos Pirineus é um dos momentos que mais exige preparo, pois são 25km de muita subida forte, e o tempo é muito instável, muitos peregrinos tem sua jornada comprometida nesse trecho.  Outro momento emocionante é ver a Catedral de Santiago!

 

Com outros peregrinos em León, Espanha

Com outros peregrinos em León, Espanha

O caminho é cheio de histórias a serem contadas. Se faz amizade muito rapidamente com outros peregrinos, pois todos são do bem! Certo dia eu estava em um albergue e um espanhol falou que tinha cortado o dedo, então, ofereci um curativo. O nome dele é Manoel. À tarde me encontrei ocasionalmente com ele no bar e nos cumprimentamos…”

“…No dia seguinte, o encontrei com os pés dentro de um canal com a água bem gelada e nos cumprimentamos de novo. No final do dia nos encontramos em outro albergue e trocamos nossos contatos. Na manhã seguinte eu tinha passado pela cidade de León e parei para comprar algo para beber e Manoel chegou, caminhamos juntos até uma cidade e resolvemos nos hospedar nela. Em nossa conversa, falei a ele que iria ficar dois dias no Cebreiro (nota: “cabreiro” é um dos lugares emblemáticos do Caminho de Santiago e está localizado a mais de 1.293m de altitude. É um dos pontos que que presta assistência aos peregrinos desde de tempos remotos) e foi aí que ele me convidou para ir com ele à sua casa que fica na cidade de Lugo. E assim foi, sua esposa nos buscou e ficamos dois dias em sua casa no convívio de sua família. Lugo foi meu primeiro contato com o caminho primitivo de Santiago de Compostela, pois essa cidade fica nesse caminho.”

“Conheci a ‘muralha romana de Lugo’ que é uma obra magnífica! Outro momento que me impressionou foi próximo a Santiago (50 km antes de chegar), no sentido contrário vinha um senhor de estatura baixa os olhos bem azuis e com uma mochila muito grande. Ele tinha todos os sinais de que sofreu um derrame; seu  lado esquerdo do corpo era paralisado. Quando vi aquela cena me perguntei o porque daquele sacrifício, pensei em conversar com aquele peregrino, mas resolvi ficar em silêncio como forma de respeito. Ao passar por ele veio uma vontade de chorar muito forte e chorei muito ao entender o tamanho da fé daquele peregrino. Como relatei, ele estava no sentido contrário, pois muitos vão e voltam pelo caminho.”

Em Castrojeriz, Espanha

Em Castrojeriz, Espanha

Em Cacabelos, Espanha

Em Cacabelos, Espanha

 

Mauro realizou o caminho de Santiago de Compostela em 2010 e 2015. Ambos os trechos partindo de Saint Jean Pied de Port, bem na fronteira da França com a Espanha.

“Em 2010 caminhei por 27 dias e preferi me hospedar na maioria das vezes em albergues dos vilarejos. Os moradores do caminho são pessoas gentis, fazem questão de cumprimentar e sempre desejam ‘Buen Camino’. A bondade faz parte do caminho e isso é comum durante toda a jornada. Passando por Burgos, entrei numa farmácia e tinha muita gente, quando me viram e sabiam que eu era um peregrino todos pediram para eu passar na frente e uma atendente prontamente me recebeu, e isso se repetiu em uma quitanda da mesma cidade. Eles respeitam muito o peregrino”

Cidades por onde passei em 2010: Saint Jean Pied de Port – Roncesvalles – Zubiri – Zariquiegui – Lorca – Los Arcos – Logroño – Azofra – Belorado – Agês – Tarjados – Castrojeriz – Poblacion de Campos – Calzadilha de la Cueza – Bercianos del camiño – Puente de Villarente – Virgem del camiño – Hospital de Orbigo – Rabanal del camiño – Molinaseca – Cacabelo – Veja de Valcare – O Cebreiro – Lugo – Samos – Ferreiros – Palas de Rei – Arzúa – Santiago de Compostela.

Em 2015: Saint Jean Pied de Port – Roncesvalles – Larrasoaña – Puente La Reina – Azqueta – Viana – Ventosa – Grañon – Villafranca Montes da Oca – Burgos – Hontanas – Frómista – Calzadilla de La Cueza – Bercianos del Camino – Villarente – Villadangos del Parano – Sta Catalina de Somoza – Molinaseca – Perege – O Cebreiro – Sarria – Ventas de Naron – Arzúa – Santiago de Compostela – Vilaserio – Cee – Finisterre – Múxia.”

Ermita de San Miguel Arcangel, ano 1062, Lorca, Espanha

Ermita de San Miguel Arcangel, ano 1062, Lorca, Espanha

 

Você nunca deixa o Caminho de Santiago de Compostela e ele nunca te deixa

“Quando voltei ao caminho em 2015, após chegar a Santiago fui a Finisterre e Múxia. Em 2017, tenho planos para fazer um documentário sobre o caminho primitivo. O motivo do meu retorno ao caminho é algo inexplicável, pois desde a primeira vez que fui, não consegui mais me desligar do caminho e este sentimento parece ser comum entre os peregrinos.

Estar no caminho é se desligar do resto do mundo (assim foi meu caso). Ter o contato com os lugares por onde a história se fez é algo que não tem valor. Entender o que acontece lá só é possível se fizer presente.

Como  disse antes, todos os dias são diferentes. Sempre existe algo que nos impressiona, seja com outros peregrinos ou com a gente mesmo. Nessas caminhadas percebi como nosso corpo é incrível, como ele se adapta às condições de grandes esforços. Só para se ter uma idéia, nessa última peregrinação perdi 12 kg nos 940 km de caminhada e não fiz dieta!!!!.

 

Fortaleza Templária em Ponderada, Espanha

Fortaleza Templária em Ponderada, Espanha

 

Muxía, Espanha

Muxía, Espanha

 

mauro-19“Acabei me tornando guia de um dos caminhos em 2015. Isso aconteceu por acaso pelos seguintes motivos:

1) Eu sabia que iria voltar ao caminho, pois nunca consegui me desligar dele
2) Tenho uma página no Facebook e as pessoas começaram a solicitar orientação sobre o caminho e nessas conversas apareceu a  possibilidade de guiar grupos.

Quando fecho o grupo acertamos a data e programamos a compra das passagens de ida e volta para Madri. Durante o período que antecede a viagem, dou assessoria na compra de equipamentos, orientação nos treinamentos (que é montado por uma fisioterapeuta que também é peregrina). Pessoas do grupo que moram em São Paulo realizam alguns treinamentos ‘in loco’ com a gente. Durante o caminho faço fotos e vídeos do grupo.”

O que mudou depois da travessia?

“Estar aberto ao inesperado, as incertezas do caminho e começar a entender o que é ser um peregrino me fez ver o mundo de outra maneira e ter mais paciência. No caminho se aprende que se vive com pouco, se alimenta com pouco dinheiro e que haverá um lugar para dormir independente se tem condição de pagar ou não. Existem vários lugares que você come e dorme por um donativo e se você não tem dinheiro não precisa dar. Durante minhas jornadas não vi nenhum relato de assalto ou furto e isso me faz sonhar com meu país (será que um dia será assim?). No caminho nenhum peregrino fica para trás; a bondade é algo essencial no caminho.”

 

Confira o Poster do caminho que Mauro percorreu em 2015:

O caminho percorrido por Mauro

O caminho percorrido por Mauro

 

Todas as fotos são de autoria do entrevistado e cedidas para uso exclusivo do Itinerário de Viagem. Direitos reservados, por favor, respeite!

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por