EnglishPortugueseSpanish
DIÁRIO DE BORDO: Vivendo em Moscou
Postado por Estela T em Março 15, 2018 Editado em Abril 8, 2018

Morar em Moscou... como deve ser esta experiência? O Itinerário de Viagem traz esta entrevista empolgante da Suellen que está morando em Moscou devido a um mestrado! Dá só uma lida e uma conferida nas fotos para começar, desde já, a planejar a sua viagem para as gélidas terras da Rússia!

Moscou, Rússia, Europa

Suellen na Red Square (Praça Vermelha)

Meu nome é Suellen, nasci em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, mas morei a maior parte da minha vida em São Paulo. Sou bacharel e licenciada em Português e Italiano pela USP e atualmente estou fazendo mestrado em Ensino de Língua Russa no Pushkin State Russian Language Institute, em Moscou. Tenho 27 anos e sempre sonhei em viajar. Quando era pequena dizia que seria aeromoça, depois mudei para jornalista de tanto ver a Glória Maria pra lá e pra cá... mas no fim me tornei professora e sei que fiz a escolha certa. Além do mestrado, dou aulas de português em uma escola de línguas latinas e também particular.

Eu viajo há 8 anos e meu perfil mudou um pouco... no começo minha vida era hostel e zero dinheiro para comer, mas o importante era desvendar o lugar, rs. Além disso, no começo as viagens costumavam ser mais rápidas. Hoje eu gosto de sentir cada canto da cidade. Não importa se dizem que em um dia é possível ver TUDO de um lugar, eu preciso ficar ao menos 3 dias, sendo que em um dos dias eu tiro para andar pelas ruas, sem pensar em pontos turísticos, apenas pelo prazer de andar e sentir como se eu fosse dali.

Eu sou amarradona em natureza, aventuras, mas também amo história, então eu fico muito feliz viajando tanto para cidade quanto para o mato. Sou aquele tipo de pessoa que você chama, eu vou. Depois eu vejo se tenho dinheiro suficiente para ir rsrsrs! Se não tiver a gente dá um jeito! Eu não me lembro de nenhuma viagem que falaram VAMOS e eu não respondi VAMOS!

Eu adoro planejar minhas viagens, então muito raramente utilizo agências, acho que dos 39 países que conheço, usei agência só na minha lua de mel e quando fiz um curso nos EUA, até meu intercâmbio para a Itália e para a Rússia planejei sozinha. Também sou a louca dos documentos e que chega no aeroporto 3hs no MINIMO antes do voo, e quando é trem ou ônibus, 1h antes já estou lá... tenho pavor de pensar em me atrasar.

Meu objetivo de vida é falar fluente mais de 8 línguas – já falo fluente 3 além do português: inglês, russo e italiano. E claro, viajar o mundo inteiro. Minha meta é chegar aos 57 anos com 160 países. Eu já até fiz as contas de quantos destinos preciso ir por ano para atingir a meta, rs. Por enquanto está funcionando.

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, , Parque VDKH

Suellen no Parque VDKH

Viver em Moscou, Museu do Aeronauta, Museu do Cosmonauta, Moscou, Rússia

Museu do Aeronauta (Cosmonauta) em Moscou

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque VDKH

Parque VDKH

Viver em Moscou, Kremlin

O Kremlinn

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Kolomenskoe

Parque Kolomenskoe

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Pobeda

Parque Pobeda

Essa é a segunda vez que estou morando em Moscou. A primeira vez foi em 2012, vim fazer intercâmbio com meu marido, na época era namorado. Nós ficamos 11 meses apenas estudando a língua russa, que para mim era novidade total – as únicas palavras que sabia eram: "obrigada", "por favor", "meu nome é Suellen". Depois de 4 anos de volta ao Brasil, estávamos nos sentindo deslocados e com uma saudade imensa daqui, por isso decidimos retornar para fazer mestrado. Chegamos em Moscou no dia 1º  de fevereiro de 2017 e sinceramente, não temos previsão para retornar.

Como viemos para estudar, pesquisamos muito as leis sobre validade de diploma, quais faculdades se encaixavam no nosso projeto de mestrado e etc.

Se preparando para o Mestrado

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Teatro Bolshoi

Suellen e o Teatro Bolshoi ao fundo

Para conseguir o visto de estudos foi necessário receber uma carta-convite da faculdade. No geral, é bem simples, pois o Brasil e a Rússia possuem ótima relação e possuem políticas bem favoráveis nesse campo. Além da carta-convite, fizemos um seguro médico de apenas 1 mês – no Brasil os valores de seguro são muito mais altos do que aqui na Rússia, por isso optamos por apenas 1 mês e quando chegamos aqui fizemos um novo para cobrir um período maior -, é necessário fazer exame de HIV, preencher o formulário online, imprimir, assinar e levar uma foto. Em 10 dias nosso visto estava pronto. No Consulado da Rússia em São Paulo fomos bem atendidos e para quem não fala russo, o português deles é ótimo. Foi necessário apostilar e traduzir nossos diplomas para que eles fossem válidos aqui... grana alta.

Como nosso plano é ficarmos aqui por bastante tempo, decidimos vender todas as nossas coisas no Brasil: roupas, móveis e carro. Levamos cerca de 4 meses para vender tudo e juntar uma graninha para todos os custos iniciais da mudança e também para possíveis emergências. Nosso apartamento em São Paulo está sendo alugado.

Nós chegamos aqui apenas com duas malas de roupas e duas de livros – beletristas que somos, não dava para deixar livros para trás. A faculdade aqui oferece moradia aos estudantes, então tivemos que comprar por aqui apenas coisas básicas como pratos, talheres e panelas.

Moeda e língua russa

A cotação do rublo, moeda russa, está favorável para brasileiros. R$01,00 equivale a RUB18,00. Porém Moscou é uma cidade grande e o custo de vida é alto. É muito parecido com o custo de vida em São Paulo. Por exemplo, não é possível alugar um apartamento de um quarto por menos de R$1.500,00; ao entrar em um restaurante, tenha certeza que irá gastar pelo menos R$70,00 reais por pessoa. A vantagem está no transporte público e mercado. O metrô percorre a cidade inteira, o que é  fantástico! E o preço também dá aquela alegria... custa apenas RUB35,00, ou seja, menos de R$02,00. Existe uma rede de mercados que possui uma linha subsidiada, então você consegue comprar qualquer produto dessa linha por valores mínimos – um pacote de macarrão por R$00,50 centavos. Estudantes e aposentados adoram...

A língua russa apavora os iniciantes! Já começa pelo alfabeto! Os russos utilizam o alfabeto cirílico, então em primeiro lugar, você precisa ser alfabetizado: Привет equivale a Priviet.

Quando você aprende o alfabeto e começa a achar que está indo bem aparecem os casos, igual no latim. Aí você zera os 6 casos e pensa “pronto, já sei tudo!” eles te apresentam os verbos de movimento... existem mais de 4 formas diferentes para o verbo "ir" – cada uma mostra “como” você vai, se é à pé, uma ou mais vezes, de carro e etc.

Aí você sofre, mas aprende e pensa: já tô russo! Não, péra! Ainda tem aspecto verbal, uma coisa que é uma particularidade das línguas eslavas e que nenhum linguista russo ou estrangeiro conseguiu definir regras para explicar esse fenômeno.

Mas a verdade é que eu amo a língua russa e apesar de toda a dificuldade para aprender, tem valido bastante a pena.

Os russos

Os russos possuem um caráter um pouco duro, digamos assim. Eles não são de sorrir, tratam desconhecidos com bastante distância e se você não fala nada em russo, podem até ser rudes. Mas essa é a visão superficial de um russo. É necessário ultrapassar essa barreira para descobrir como eles são parecidos com a gente. Claro, você precisa se esforçar um pouquinho... a simpatia deles não é dada de mão beijada. Seja educado, tente umas palavras em russo e fale de cara que você é brasileiro que você já ganha uma cara de surpresa e depois um sorriso. Antes de vir morar na Rússia da primeira vez, nós moramos em Roma e lá, por acaso, conhecemos duas russas. Quando contamos que em breve embarcaríamos para Moscou, elas ficaram impressionadas e pediram nossos contatos, data de chegada, vôo e etc.

Sabe como é brasileiro, né? A gente já tratou de passar tudo e por 2 semanas ficamos conversando. Elas voltaram para Moscou e nós permanecemos em Roma. Passados alguns meses, embarcamos para Rússia!  E que surpresa não tivemos ao desembarcar lá de madrugada em um dia de semana e as duas estarem com uma plaquinha com nosso nome. Elas nos recepcionaram no aeroporto, foram conosco até a faculdade, ajudaram a checar se estava tudo certo com a documentação, moradia, até tinham passado no mercado e comprado coisas básicas: shampoo, sabonete, pasta de dente, pão, iogurte... Gente, quando na vida iríamos imaginar isso? Hoje elas são parte da nossa família e com certeza um dos motivos da gente se sentir tão em casa por aqui.

A comida aqui é bem diferente da nossa... não tem aquele combo básico: arroz, feijão e carne tão maravilhoso. Mas eu me adaptei muito bem e gosto bastante. De café da manhã eles costumam comer mingau de aveia, pão preto com defumados e queijo. No almoço o conjunto ideal é uma saladinha (aqui salada não significa alface, pode ser uma porção de legumes como batatas com pedacinhos de carne), sopa e o prato principal – trigo sarraceno ou macarrão ou purê de batata, frango ou carne, cogumelos. O jantar é parecido com o almoço, porém eles não comem sopa à noite.

Meus pratos preferidos são:

Blini com salmão e cream cheese – uma espécie de panqueca bem fininha Borsh – sopa de beterraba e batatas com pedaços de carne e smetana (sour cream, ou creme azedo) Jarkoe – um simples ensopada de carne com batata Trigo sarraceno com cogumelos

Eu sou muito formiga... na verdade, notei que o paladar brasileiro é mais doce do que o dos russos. Percebi isso nos doces que consegui fazer aqui e nos que apresentei aos meus amigos russos quando eles foram ao Brasil. Aqui eles colocam muito creme em tudo e pouco açúcar, além da preferência por chocolates mais amargos. Raramente eu peço sobremesa nos lugares que vou comer, rs. Ou faço doces em casa, ou compro chocolate ao leite mesmo.

 
Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Catedral de Cristo Salvador

Suellen e a Catedral de Cristo Salvador

Pontos Turísticos

Bom, a Rússia é enorme, basicamente 2x o tamanho do Brasil, então eu ainda tenho MUITO o que descobrir... algo que pretendo fazer pelos próximos anos por aqui. Além de Moscou, eu já fui para São Petersburgo, Sochi – a pronúncia correta é Sotchi -, Tula, Tver, Vladimir, Suzdal, Nizhninovgorad, Sergiev Posad e algumas cidadezinhas ao redor de Moscou.

Só Moscou é um fenômeno em si... eu já tenho quase 2 anos nessa cidade e parece que nunca acabam as surpresas, então comecemos por ela:

Moscou é uma cidade de espaços, os parques são fundamentais para a sobrevivência do humor russo. Os destaques são:

  • Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Gorky

    Suellen e um mural

    Parque Gorky: o parque é ENORME e fica ao lado das linhas principais de metrô, o Anel e a linha Vermelha. Ele acompanha um trecho do rio Moscou, tem quadras, quiosques, mesas de ping-pong gratuitas, um mini parquinho para crianças com roda-gigante e outros brinquedos. No verão são espalhados pelos gramados pufes enormes e um mini lago foi instalado com areia na beirada simulando uma praia, não pode nadar, mas dá para se refrescar um pouco. No inverno o parque vira uma enorme pista de patinação no gelo, com vários quiosques dentro para a gente dar aquela descansada. Como chegar: a melhor opção é de metro, pelo Anel, descendo na estação Oktiabriskaya e caminhando cerca de 5 minutos e a entrada é gratuita. Pista de patinação: para usar a pista de patinação você paga cerca de 200 rublos, podendo ficar o tempo que quiser. Se você não tiver o patins ou outros itens, pode alugar por cerca de 300 rublos.

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Gorky

Parque Gorky bem movimentado

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Gorky

Detalhes do Parque Gorky

 

  • Parque Tsaritsina: o parque fica na zona sul de Moscou, mais afastado da cidade. É lindo em todas as estações do ano, e se você quiser descansar e não ficar na muvuca, é uma boa pedida.
Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

O lago do parque Tsaritsyni ou Parque Tsaritsina

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

Suellen e amigos no Tsaritsyno no inverno

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

A natureza dá um show à parte

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

Os patos no sol do inverno

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

Parque Tsaritsyno no ooutono

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Parque Tsaritsyno, Parque Tsaritsina

Inverno

 

  • Praça Vermelha: é um lugar que PRECISA ser visto. Para mim, é a praça mais LINDA desse mundo todinho. A única questão é que, por ser o ponto principal de Moscou, sempre tem gente e acontecem muitos festivais, então você pode ter o azar de vir numa dessas datas e a praça estar parcialmente fechada. Eu aconselho antes de programar sua viagem, dar uma olhadinha nos feriados russos, já que em todos ela estará parcialmente fechada. A vista continuará linda, claro, mas não terá o mesmo impacto de quando ela está toda aberta.

Se você gosta de história, precisa seguir o roteiro do Anel de Ouro, são as cidades históricas da Rússia.

 

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Praça Vermelha

A icônica Praça Vermelha

Morar em Moscou, Moscou, Rússia, Praça Vermelha

Praça Vermelha com decoração natalina

 

O que mudou para Suellen a vida em Moscou

A Rússia é um desafio diário, até para quem já viajou bastante por aí. É uma relação de amor e ódio. Existe até um filme soviético com o título "Moscou não acredita em lágrimas"... e não acredita mesmo.

Mas é exatamente nessa dicotomia que a gente encontra a beleza desse lugar. Aqui eu aprendi que tudo pode ser diferente, basta olhar com o coração aberto. No meu primeiro ano aqui, aprendi um provérbio que fala mais ou menos assim: "Não existe tempo ruim, existe roupa inadequada". E não é que é verdade? Eu aprendi a respeitar ainda mais outras culturas, aprendi que não existe o modo certo de se fazer algo, mas sim diversas outras maneiras que também levam a um bom resultado. Percebi que a gente pode sim gostar e admirar muito uma pessoa apenas com um sorriso singelo.

Morar aqui é descobrir cada dia um novo pedaço de mim, e principalmente renovar os antigos. Não é nenhum mar de rosas, como mencionei no começo, mas ver como eles encaram os quase 8 meses de escuridão e como recebem com alegria os dias de sol, faz com que eu aprenda a valorizar ainda mais minhas conquistas e minhas raízes.

 

Todas as fotos são de autoria de Suellen e cedidas para uso exclusivo do Itinerário de Viagem, bem como todo o conteúdo escrito. Direitos reservados, por favor, respeite!

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por