EnglishPortugueseSpanish
CRÔNICA DE VIAGEM #06: Errando na roupa
Postado por Estela T em julho 1, 2017 Editado em julho 1, 2017

Estava aqui lembrando sobre a minha primeira viagem internacional e questões sobre: QUE ROUPA LEVAR?.

Até então os destinos de viagens eram: a trabalho = roupa de trabalho OU viagens para locais com praia = roupa de praia.

Exato… já fui daquelas que achava que viagem para ser viagem, tinha que ter praia e ponto final.

Mas um dia você amadurece e muda seus destinos de viagem e pronto… que dilema. Quais roupas levar? De toda forma NUNCA achei necessário comprar roupa nova para uma viagem. Sempre gostei do meu guarda roupa e sempre achei ele muito diversificado para muitas ocasiões. Desta forma, nada de roupa nova pra me confundir ainda mais!

Uma coisa que sempre tive foi simancol também… pesquisei muito sobre os lugares que eu iria conhecer, como por exemplo, vestimentas para entrar em uma mesquita, e soube imaginar exatamente qual roupa estaria vestindo. Pesquisei sobre a temperatura da época que estaria por lá e também descobri que em um hotel haveria a possibilidade de pular na piscina, então, biquini na mala.

Mesmo com uma mala média em mãos, a tarefa não foi fácil: só minha necessèrie de maquiagens possui um volume considerável (26x16x14). Adicionando alguns remédios básicos, lá vai mais outro volume considerável (22x11x09). O pacote de calcinhas estava dando o mesmo volume da necessèrie e as 03 sapatilhas diferentes + uma bota de chuva (sim… eu levei uma bota de chuva e nem precisei de fato usá-la)  ocupavam a mala inteira! Fiz uma planilha para saber quais roupas estava levando: 2 vestidos, calça jeans, calça legging, várias regatas, casaquinhos diversos, jaqueta jeans, enfim… era tanta coisa que até cheguei a ficar com medo da mala ser extraviada e ficar sem nada pra vestir. A solução foi levar boa parte das roupas na bolsa de mão.

O resultado da falta de experiência de uma pessoa sem noção alguma é: sofrimento. Sofrimento nos momentos que tive que arrastar toda a parafernália + os souvernires adquiridos ao longo da viagem. Como foi doloroso! O pior é que levei coisas que voltaram do mesmo jeito que foram: intocadas.

Uma outra viagem que fiz, incluía horas de itinerários pinga pinga de trem pela Europa Central. A inexperiência ainda prevalecia onde tive muitas dificuldades em arrastar minha mala média pra lá e pra cá, além da bolsa a tira colo. Mas desta vez levei calcinhas de microfibra bem pequenas e finas, que ocupavam 1/3 do volume do pacote de calcinhas anterior da outra viagem. Repensei o número de blusinhas (me limitando a 2) e o número de regatas. No meio desta viagem percebi que comprar um tênis seria a melhor ideia para arrastar malas de trem em trem e aguentar o frio que surgiu inesperadamente. Também tive que comprar roupas de frio mais severo e decidi não trazer nenhum souvenir pra casa, pra não ter que ficar carregando peso e me cansando.

Lições aprendidas sendo colocadas em prática, mas ainda assim, esta viagem pinga pinga foi dolorosa.

Um dia você viaja para longe, numa época fria e mesmo com a comodidade de alugar um carro e não precisar arrastar suas malas pra lá e pra cá, você faz a lição de casa e repensa na sua mala. A mala média ainda é a opção, porque o destino é frio e as roupas maiores, e no final nem levei tanta roupa e as fotos que eu tirei parecem até que a viagem durou uns 5 dias, devido a repetição da roupa que se tornou evidente nas imagens.

Aí chega aquela viagem que deve ter o momento final para refletir e entender que o conforto está acima de tudo e, pela primeira vez na história, viajei sem ao menos despachar uma mala (e olha que eu estava indo para o inverno da Itália). A sensação foi esquisita! Entrar direto na fila da alfândega, sem passar no guichê de coleta de malas me deu uma sensação de que eu estava errando em algo! Estava eu com uma bolsa de mão com meus eletrônicos e todo o resto em uma mala pequena! E além de minhas coisas, estava parte das roupas de meu namorado que tem 1,83m, além do meu casaco de frio extremo! Ou seja. Consegui, finalmente me superar e entender que, conforto deve estar acima de tudo.

Não ligo mais em ficar extremamente ornada em uma foto. Nem penso em combinar minha roupa com o cenário. Penso que eu, por mim, já vou estar compatível e combinando com o cenário. Penso eu que, além de uma roupa bonita e vistosa em uma foto está eu mesma, lá feliz, realizada e nada é mais importante do que eu. Roupas são para me proteger do sol, da chuva, do frio…. não para me rotular ou ser apenas alegoria.

É blusa pra frio intenso, blusinha por baixo, legging e tênis. Só!

Ficou curioso(a)? Veja o milagre que cabe em uma mala pequena de mulher para viajar e de quebra, conseguir pagar menos taxas de embarque com a nova palhaçada da ANAC:

  1. Calcinhas de microfibra são o que há. Não precisa levar uma para cada dia porque no banho, dá pra lavar rapidamente e perfeitamente e elas secam da noite pro dia em cima de uma toalha limpa!
  2. Soutiens? Além daquele que você vai usando no avião, leve só mais um outro
  3. Maquiagens: leve o básico e use o seu próprio rosto nos passeios
  4. Uma legging
  5. Um jeans mais escuro (não vai de jeans branco, please)
  6. Dois casaquinhos leves (se não estiver indo pro frio intenso e neve)
  7. Uma blusa de frio intenso (só uma mesmo…. porque ocupa muito espaço, caso seja pertinente)
  8. Dois vestidos mais “sequinhos”, para aqueles momentos de jantar mais chic
  9. Um tênis pra bater (Calce-o para ir no avião)
  10. Uma sapatilha que combine com os dois vestidos, com a legging e jean (tem vários modelos Crocs que são perfeitos e eu só uso estes!)
  11. Uma luva de frio + 02 meias calças grossas para o frio (se precisar) + 01 chale
  12. 03 meias de tênis (vai lavando uma enquanto usa a segunda e a terceira vai secando)
  13. Remédios básicos dentro de um saco
  14. Shampoo que você e seu acompanhante use também (se possível)
  15. 03 regatas ou blusinhas
  16. Na bolsa de mão: Câmeras e seus acessórios+ Passaporte + Celular + Carteira + itens de higiene
  17. Biquini e saída de praia caso seja o caso (pra mim quase nunca é)

 

Só gente…. a vida tem que ser mais fácil!
Não tem por que levar um monte de acessórios do tipo: 06 brincos diferentes, 03 óculos escuros, roupas de várias cores para cada ocasião (porque cada uma vai combinar com alguma coisa que você acha que vai ficar bacana na foto, mas que, me desculpem…., acho breeeega demais fazer isso), vários sapatos e botas (pior ainda quando são novos, comprados só pra ocasião… gente… pára né? vai dar bolha! tem que amaciar antes, use o Crocs, melhor coisa!), maquiagens que nunca se usou, vários shampoos e condicionadores (sério… se o seu acabar, compre por lá, a não ser que esteja indo viajar para um lugar que não existem shampoos a venda…), vários perfumes….. (não entendo por que ainda tem gente que leva perfume numa viagem…. usa um creme hidratante que tá bom, acredite que a sua pele tem um cheiro magnífico ao natural!), livros e diários….. por favor, saiba que papel pesa muito e eu duvido que você irá ler em uma viagem ao invés de passear e muito menos escrever… registre a experiência na cabeça 😉 e na câmera fotográfica e não, nunca, nunca, jamais leve uma comida ou quitute daqui… você está prestes a comer delícias locais, se desprenda da mesmice!

Deixe seu comentário / Nenhum comentário

Itinerário de Viagem (C) Direitos reservados
desenvolvido por